Codir realiza sexta reunião ordinária

O Conselho e Dirigentes (Codir) do IFC realizou, nos dias 23 e 24 de setembro, sua sexta reunião ordinária. O encontrou ocorreu na Sala dos Conselhos da Reitoria do Instituto.

A reunião foi aberta por uma explanação do presidente da Comissão de Ética do IFC, Bruno Negrini, sobre a Formação Educativa planejada pelo órgão, intitulada “A importância de ética no universo das mídias sociais: ações e impactos”. A seguir, a diretora-geral do Campus Videira, professora Rosângela Aguiar Adam, apresentou ao Conselho o novo modelo de organograma da unidade. A partir disso, os conselheiros debateram algumas dúvidas e peculiaridades sobre os organogramas de alguns dos outros campi.

Após essa discussão, o diretor de Tecnologia da Informação do IFC, Plínio Garcia, conduziu uma apresentação sobre o Regimento Interno das áreas e serviços de TI no âmbito do Instituto – e os seus desdobramentos sobre os servições prestados pela Diretoria em todas as unidades.

O próximo ponto de pauta foi uma demonstração detalhada do pró-reitor de Administração do IFC, Stefano Demarco, sobre a situação financeira da Instituição diante dos contingenciamentos e bloqueios aplicados pelo Governo Federal, e também a respeito dos resultados de reuniões do Conif com a Setec sobre o assunto. A fala foi sucedida por um diálogo com os conselheiros sobre as situações de cada unidade. Clique AQUI e confira uma matéria mais atualizada sobre o quadro financeiro do Instituto.

A reunião teve continuidade na manhã seguinte. Os trabalhos tiveram início com apresentação da coordenadora-geral de Comunicação do IFC, Rafaela Zorzetto, sobre como vai ser o processo de criação e migração de conteúdo para os novos sites da Instituição e os procedimentos de transparência que devem ser seguidos e serão padronizados entre as páginas conforme documentos norteadores.

Em seguida, o diretor de gestão de pessoas do IFC, Bruno Vieira, deu informações sobre a questão de adicionais de insalubridade. Em 2018, Os pagamentos foram suspensos para que houvesse uma migração de sistema. Durante o processo, foi necessário reavaliar algumas concessões de insalubridade à luz dos procedimentos estabelecidos pelo novo sistema, por profissionais da segurança do trabalho profissionais habilitados. A DGP instituiu ainda um cronograma de atendimento aos novos pedidos de insalubridade. A questão foi debatida amplamente pelos conselheiros, levando em consideração as realidades e peculiaridades de cada campus.

Os conselheiros também discutiram com Vieira o Decreto Nº 9.991/2019 do Governo Federal, que dispõe sobre a Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoas – PNDP. Entre outras disposições, o documento altera algumas questões relativas a licenças para capacitação – que já estão sendo adereçadas pela DGP.

O Codir tratou ainda da definição da próxima reunião do Conselho – que ficou marcada para o dia 22/10, no Campus Sombrio, e 23/10 no Campus Santa Rosa do Sul – e do processo de transição das instâncias de gestão em cada campus.

Ao final da Reunião, como informe, a reitora Sônia Regina Fernandes falou sobre discussões do projeto Future-se no âmbito do IFC – que irão incluir a criação de Grupos de Trabalho na reitoria e nos campi para discutir o assunto e subsidiar a decisão do Consuper sobre o tema.

Sobre o Codir – O Colégio de Dirigentes é um órgão de caráter consultivo, que tem como objetivo dar apoio ao processo decisório da Reitoria. É composto pelos pró-reitores e diretores-gerais dos campi, além da reitora.

As reuniões do Codir são transmitidas ao vivo; o link para acompanhamento é enviado por e-mail a todos os servidores. Todos vídeos de transmissões e as atas das reuniões são disponibilizados na página do órgão, no portal do IFC.

Confira a íntegra da reunião nos vídeos abaixo:

Texto: Cecom/Reitoria/Thomas Müller
Imagem: Cecom/Reitoria/Carlos Pieri

Membros do biênio 2019-2021 do Consepe realizam primeira reunião ordinária

A primeira reunião ordinária do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe) do IFC – biênio 2019-2021 – foi realizada nos dias 17 e 18 de setembro, na Sala dos Conselhos da Reitoria.

O encontro teve início com a posse oficial dos membros titulares e suplentes do Conselho para o biênio e também do presidente do Consepe, professor Fernando Garbuio.

A ordem do dia teve início com encaminhamentos da reunião anterior – mais especificamente,  sobre os casos nos quais o Consepe funciona com instância de recurso.

Em seguida, foi definida a formação das Câmaras permanentes do Consepe – de Ensino, Pesquisa e Extensão – e também das Comissões temporárias de alteração de regime de trabalho e de regulamentação das ações do Consepe em relação ao seu caráter recursal. As Câmaras e comitês são responsáveis por avaliar previamente e elaborar pareceres sobre os processos enviados ao Consepe antes de sua discussão ampla e votação final nas reuniões do Conselho.

Após essa definição, foram feitos dos informes do dia: sobre a necessidade de estabelecimento da data da próxima reunião – que ficou marcada para os dias 31 de outubro e 1º de novembro – e a presença de pareceres ad referendum na pauta de votação, devido a limites de prazo estabelecidos anteriormente para as demandas.

Em seguida, o Conselho se dedicou a debater a ordem do dia. Dentre os principais pontos adereçados estão:

– Reformulações nos Projetos Pedagógicos de diversos cursos do IFC: alterações de matrizes curriculares, mudanças em ementas de matérias, pedidos de aumento no número de alunos por turma etc;

– Avaliação de pedidos de alterações no regime de trabalho;

– Aprovação do Calendário Acadêmico Institucional para 2020,

– Definição de critérios para definição de Projeto Institucional de Caráter Permanente (somente no tocante aos pedidos de alterações de regime de trabalho de docente, caso este participe de um projeto dessa natureza);

– Avaliação do Relatório de Produção Técnica do Programa de Treinamento Instrutores de Cães-Guia do Campus Camboriú, relativo à solicitação de transformação do Centro de Treinamento em projeto institucional permanente do Instituto. O parecer do Conselho é que o escopo de atuação do programa deve ser mais especificamente delimitado pelo Centro, em articulação com Propi, Proex e Prodin, e que o processo retorne posteriormente à apreciação do Consepe.

– A extinção do Curso Técnico em Informática Concomitante do Campus Concórdia – uma vez que o campus não tem mais condições de ofertar o curso com o quadro de servidores atuais. O Consepe deu parecer favorável ao pleito, que agora será votado pelo Consuper.

– Avaliação da minuta do Regulamento de Moradia Estudantil do IFC. O parecer do Conselho é de aprovação da minuta – desde que sejam feitas algumas alterações: novo parecer da DGP, observação de apontamentos feitos pela Procuradoria sobre vistoria de pertences e ação dos agentes públicos e moradores em casos de emergência.

– Padronização de formato das Produções Intelectuais de Conclusão de Curso (PICC) do IFC (da graduação à pós) para anexação ao repositório digital

Sobre o Consepe – O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão do IFC é um órgão normativo e consultivo de assessoramento e de apoio ao processo decisório da Reitoria no que tange às políticas de Ensino, Pesquisa e Extensão. É parte integrante da estrutura organizacional do Instituto, conforme previsto nos artigos 3º e 25 do seu Regimento Geral, aprovado pela Resolução nº 015/2015-CONSUPER/IFC, de 02 de julho de 2015.

Confira abaixo a íntegra da reunião:

Texto: Cecom/Reitoria/Thomás Müller
Imagem: Cecom/Reitoria/Carlos Pieri

Docente do IFC está na lista de melhores professores da internet

Geografia iradaO professor de Geografia, do Instituto Federal Catarinense (IFC) – Campus Camboriú, Marcelo da Silva foi eleito, pelo site Universia Brasil, como um dos melhores docentes da internet. A seleção feita pelo portal foi realizada com base no número de inscritos nos canais direcionados ao ensino de disciplinas no Youtube.

Criado em 2008 com a intenção de auxiliar os alunos nos estudos, o “Geografia Irada” hoje conta com mais de 47 mil seguidores e alguns dos vídeos publicados ultrapassam a marca de 100 mil visualizações. “Primeiramente a ideia do canal era servir como uma revisão após as aulas presenciais. Depois comecei a perceber que poderia ser uma grande ferramenta para os estudantes que tinham dificuldades de aprendizagem, pois o vídeo poderia ser visualizado quantas vezes fossem necessárias”, explicou Marcelo.

O destaque feito pelo site orgulha o docente ao saber que pode atingir também alunos que não possuem condições de realizar um curso preparatório para o Enem ou para vestibulares. Com o crescimento do canal, estudantes de vários lugares do Brasil e também de países africanos acessam e discutem os conteúdos. “Converso com docentes de todo o país, tirando dúvidas e gravando vídeos com ideias de práticas de ensino”, destacou.

Além das videoaulas, o professor também gosta de utilizar as paródias como uma forma de diversão e aprendizado. “Na aula presencial, uso pouco. Após explicar o conteúdo, revisar e exercitar, a música se encaixa naquele momento em que o aluno já está esgotado. O estudante relaxa, diverte-se, e a ‘música-chiclete’ faz com que ele vá para casa cantando. A música mexe com a emoção dos alunos e facilita a aprendizagem”, ressaltou.

A partir do canal no Youtube, o docente criou também o “www.geografiairada.com”, site em que disponibiliza gratuitamente cursos de Geografia para o Enem, vestibulares e concursos. Na plataforma também há uma área para professores, contendo banco de questões, materiais didáticos, planos de aula, entre outros.

Conheça aqui o canal Geografia Irada.

Núcleo de Gestão Ambiental (NGA) do Campus Araquari participa de ação promovida pela ONU

O Instituto Federal Catarinense –  Campus Araquari participou da maior ação cívica do mundo para limpeza de resíduos. A campanha Mares Limpos, da ONU Meio Ambiente, tem inspirado governos, empresas e cidadãos a se engajar na luta contra os plásticos descartáveis, que ameaçam a saúde dos oceanos, da vida marinha e dos próprios seres humanos.

Foram mais de 120 voluntários, com disposição para trabalhar durante o sábado, dia 28 de setembro, das 9 às 12h. Participaram da ação alguns servidores do IFC, o Núcleo de Gestão Ambiental (NGA), alunos e pais de alunos que juntaram esforços com o Grupo de Escoteiros de Araquari. 

Quase 10 km de orla foram percorridos na Praia do Ervino, em São Francisco do Sul. Após três horas de intensa atividade, os resultados foram visíveis: uma caçamba de 8 metros cúbicos não foi suficiente para acomodar todo o lixo recolhido durante a ação. Plásticos, isopor, redes de pesca, latas, fraldas descartáveis, canos, vidros e muito mais foram removidos da orla.

Como esta foi a primeira vez em que o NGA do Campus Araquari esteve envolvido em uma ação dessa dimensão, como explicou a professora Anelise Destefani, responsável pela organização das atividades, “ficou a sensação de que ainda podemos fazer mais. Muitos alunos queriam participar, mas, no próximo ano, podemos fazer mais, pois a gratificação ao final da ação era visível nos envolvidos.”.

“Catar lixo na praia” pode ser um primeiro passo para aumentar a conscientização na produção de resíduos em toda a sociedade. Conforme a organização do evento, essa ação foi pequena se olharmos a dimensão dos danos que o homem causa no ecossistema. Do total de plástico já produzido pela humanidade, apenas 9% foi reciclado. Pelo menos 51 trilhões de partículas de microplástico já estão em nossos oceanos, 500 vezes mais que o número de estrelas em nossa galáxia. Estimativas apontam que, se nada for feito para mudar o ritmo atual de produção, consumo e descarte de plásticos, até 2050 os oceanos terão mais plásticos que peixes (ONU, 2019).

O Campus Araquari esteve envolvido nesta ação em parceria com a AFAS – Associação de Familiares e Servidores do IFC Campus Araquari; o Grupo de Escoteiros de Araquari; a Associação de Moradores da Praia do Ervino; recebendo também a doação de equipamentos de proteção individual dos comerciantes da localidade. Além disso, foram parte fundamental da ação o Chefe Cristiano, Chefe Adriano e sua esposa, o curso Técnico em Química, a aluna Ana Paula Fonsakka, os senhores Sérgio Luiz Silveira de Souza e equipe e o Sr. João Destefani.

Conheça o projeto – O projeto Mares Limpos da ONU Meio Ambiente chegou ao Brasil em setembro de 2017 com objetivo de reduzir os impactos dos plásticos descartados nos oceanos. Ele tem duração de 5 anos e prevê ações capazes de contribuir para um cenário diferente da estimativa de que, em 30 anos, vamos ter mais plástico do que peixes nos oceanos. A campanha quer mobilizar governos, ativistas, empresas e a sociedade civil para fortalecer a conscientização da necessidade de reduzir drasticamente os plásticos descartáveis e banir as microesferas em produtos de higiene e cosméticos, além de apoiar o Plano Nacional de Combate ao Lixo no Mar do Ministério do Meio Ambiente.  

Desde 1950, produzimos mais de 8 bilhões de toneladas de plástico virgem, e 80% disso foi descartado.  Isso equivale a 25 mil prédios do Empire State. E a maioria de todo esse plástico foi parar nos oceanos. 

Texto e Imagens: Cecom/Araquari

Campus Santa Rosa do Sul promove semana de sensibilização a práticas inclusivas

O Núcleo de Atendimento às Pessoas com Necessidades Específicas (Napne) do Campus Santa Rosa do Sul realizou, de 1º a 4 de outubro, a Semana de Sensibilização para o Engajamento de Todos em Práticas Inclusivas”. O evento contou atividades culturais, palestras, oficinas e palestras, entre outras atividades.

O evento foi oficialmente aberto com apresentações de música e teatro, seguidas pela oficina “Processos De Ensino e Aprendizagem através de Recursos Assistivos Inclusivos”, com a professora Roberta Stockmanns. A programação do segundo dia teve o relato de vivência “Libras, que língua é essa?”, com o tradutor e intérprete de Libras Ramón Cunha, e a palestra “Acolhendo a Comunidade Para Reflexão sobre Transtornos de Aprendizagem”, com a psicóloga Silvia Regina de Medeiros.

O terceiro dia da Semana trouxe a palestra “Eu e o Outro: Acolhimento na Diversidade”, também com a professora Roberta Stockmanns. E, por fim, o último dia do evento contou com a participação da psicóloga Daniela Oliveira, que ministrou a palestra “Visão Social da Deficiência” e mediou a atividade de encerramento: “Psicodrama e Vivência da Gratidão”.

Texto: Cecom/Reitoria/Thomás Müller, com informações da Cecom/Santa Rosa do Sul/Ramon Cunha
Imagem: Cecom/Santa Rosa do Sul

 

Estudantes do Campus Fraiburgo criam projeto de conscientização contra a homofobia

Alunos do primeiro ano do Curso Técnico e Informática integrado ao Ensino Médio do Campus Fraiburgo desenvolveram um projeto de conscientização quanto aos prejuízos trazidos pelos comportamentos homofóbicos. A iniciativa resultou na criação de materiais informativos, tendo como público-alvo principal as escolas das cidade: um flyer e um documentário em vídeo.

O projeto surgiu na disciplina de Multimídia. “Propus aos estudantes que escolhessem um problema da sociedade que os incomodava e para o qual gostariam de propor uma solução. O grupo escolheu o problema da homofobia”, conta o professor da matéria, Marlon Domenech. “O objetivo do trabalho é conscientizar as pessoas sobre os males de uma conduta homofóbica. Para tanto, os alunos buscaram informações na comunidade interna e externa sobre o assunto, bem como em fontes bibliográficas, vídeos e documentários.”.

Com base nas informações coletadas, os estudantes traçaram o conjunto de ações a serem desenvolvidas: a criação do flyer com as ideias do projeto; a distribuição desse material nas escolas públicas de ensino fundamental de Fraiburgo; e a produção do documentário – para o qual o folheto direciona por meio de QRCOde. Mil exemplares do material gráfico foram entregues para 12 turmas das escolas da cidade e também para estudantes do campus; no ato da entrega, os autores explicavam o projeto e mostravam como utilizar o QRCode com a câmera do celular. Já o documentário foi exibido na íntegra para oito turmas, chegando até aproximadamente 250 alunos.

“O projeto integrou as atividades de pesquisa (sobre as causas e consequências da problemática e sobre como agir a respeito), de ensino (envolvendo a produção de conteúdo multimídia baseado no que foi trabalhado na disciplina de Multimídia, além do envolvimento interdisciplinar) e de extensão (por meio da disponibilização do material para o público e divulgação em escolas de Fraiburgo)”, ressalta Domenech.

Confira abaixo o documentário desenvolvido pelos estudantes:

Texto: Cecom/Reitoria/Thomás Müller

Professora do Campus Camboriú lança livro em Congresso Nacional de Educação

A professora do Instituto Federal Catarinense (IFC) – Campus Camboriú, Andressa Brandt, lançou o livro intitulado: “Pesquisas interdisciplinares sobre formação e práticas educativas nos contextos socioeducacional, saúde e direito”, durante o XIV EDUCERE – Congresso Nacional de Educação, realizado em Curitiba, no Paraná. A obra foi organizada em conjunto com os docentes Franc-Lane Carvalho Nascimento (Universidade Estadual do Maranhão), Nadja Magalhães (doutoranda em Educação pela Universidade Federal de Pelotas) e Joelson Morais.

O livro conta com dois capítulos no âmbito da pesquisa-formação e experiências profissionais, escritos pela professora do Campus Camboriú. São eles: “A influência do campo curricular na formação da profissionalidade docente” e “Saberes da profissionalidade dos licenciados: um estudo a partir do componente curricular pesquisa e processos educativos”.

Durante o Congresso, a docente também apresentou dois trabalhos, um sobre a formação inicial de professores por meio da relação da pesquisa, ensino e extensão; e outro com o tema: “Campo da formação de professores e a didática”.

Texto: Cecom/Camboriú/Marília Massochin
Imagem: Divulgação

Webconferência discute implantação de comitês e núcleos previstos na Política de Inclusão e Diversidade do IFC

A Pró-Reitoria de Ensino (Proen) do IFC promove nesta quarta-feira (9), às 9h, por meio de webconferência, uma reunião com todos os campi e a Reitoria para tratar da implementação dos núcleos e comitês previstos na Política de Inclusão e Diversidade do Instituto. Este será o primeiro encontro para tratar do assunto; além dos membros que compuseram o Grupo de Trabalho de Inclusão e Diversidade (responsável pela elaboração da Política), podem participar quaisquer servidores e estudantes interessados – bem como membros da sociedade externa.

O endereço para participar da webconferência é o seguinte: https://conferenciaweb.rnp.br/webconf/ifc-proen-coord-assistencia-estudantil

Instituída pela Resolução nº33/2019 do Consuper, a Política tem como objetivo promover a inclusão e o respeito à diversidade e aos direitos humanos no IFC – e construir, assim, uma instituição inclusiva, permeada por valores democráticos e éticos. De acordo com o Política, cada unidade deverá contar com um Comitê de Diversidade e Inclusão – que, por sua vez, será composto por núcleos inclusivos:

– Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas (Neabi)
Voltado para o fomento a estudos das questões étnico-raciais e desenvolvimento de ações de valorização das identidades afrodescendentes e indígenas.

– Núcleo de Estudos de Gênero e Sexualidade (Neges)
Voltado para o fomento a estudos das questões relativas à temática de gênero, identidade de gênero e sexualidades, no âmbito da instituição e em suas relações com a comunidade externa, e desenvolvimento de ações que promovam o combate ao preconceito.

– Núcleo de Acessibilidade às Pessoas com Necessidades Especiais (Napne)
Voltado para o fomento a estudos das questões relativas à inclusão de pessoas com deficiência e/ou necessidades específicas, e desenvolvimento de ações de inclusão e quebra de barreiras atitudinais, educacionais e arquitetônicas.

Clique aqui e conheça a Política de Inclusão e Diversidade do IFC

“O Grupo de Trabalho que construiu a Política é formado representantes de todos os campi – entre eles participantes e militantes de diversos movimentos sociais e de diversidade”, explica a coordenadora-geral de Políticas e Programas Estudantis da Proen, Iara Mantoanelli. “Durante as discussões, foi levantada a necessidade de que não houvesse apenas um comitê de diversidade em cada unidade, mas também núcleos específicos para aprofundar as discussões”.

Os comitês e núcleos são instâncias de natureza consultiva propositivas para aplicar a Política. “Eles existem para estudo, formação, discussão das áreas específicas e apontamentos para os diversos setores da instituição – ou até mesmo fora dela, se for necessário elaborar um documento relacionado às questões abordadas pelo documento ou participar de um movimento”, ressalta Iara.

Cada unidade tem até o dia 27/12 para implementar oficialmente os comitês e núcleos previstos pela Política.

Texto: Cecom/Reitoria/Thomás Müller

Atletas de oito campi representam o IFC na etapa nacional do JIF

Quarenta e cinco atletas do IFC representam a instituição na etapa nacional dos Jogos dos Institutos Federais (JIF), que tiveram início nesta segunda-feira (7). As competições são sediadas pelo Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes), nas cidades de Guarapari e Vitória, e contam com 30 delegações de Institutos Federais de todo o país, reunindo mais de 1700 atletas

O IFC participa com estudantes dos campi Concórdia, Luzerna, Fraiburgo, Videira, Rio do Sul, Blumenau, Araquari e Camboriú, que participam nas seguintes modalidades:

  • Atletismo – 13 atletas (naipes masculino e feminino);
  • Futsal – 8 atletas (naipe masculino);
  • Handebol – 10 atletas (naipe masculino);
  • Voleibol – 8 atletas (naipe masculino);
  • Xadrez – 2 estudantes (um por naipe);
  • Vôlei de praia – 2 estudantes (naipe masculino);
  • Tênis de mesa – 2 estudantes (um por naipe).

O JIF deste ano comemora o aniversário de 110 anos da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica – e também os 10 anos de criação dos Institutos Federais. Os jogos seguem até o dia 12 de outubro e comportam 11 modalidades esportivas: Judô, Tênis de Mesa, Futebol, Natação, Atletismo, Xadrez, Basquete, Futsal, Handebol, Voleibol e Voleibol de Praia.

As fotos e os resultados dos Jogos dos Institutos Federais estão disponíveis no site do evento e também na página do JIF no Facebook.

Texto: Cecom/Reitoria/Thomás Müller
Imagem: Divulgação/JIF

Trote Solidário organiza doação de sangue e visita a crianças em hospital de Joinville

O Projeto de Extensão Trote Solidário promoveu, no dia 18 de setembro, mais uma ação de generosidade e cidadania envolvendo estudantes e servidores do Campus São Bento do Sul, que viajaram até o HEMOSC de Joinville para doar sangue e se cadastrar no banco de doadores de médula óssea. O grupo do IFC também realizou uma visita muito especial ao Hospital Infantil Dr. Jeser Amarante Faria, para um momento de interação e de brincadeira com as crianças em tratamento de quimioterapia.

Professora da rede municipal de São Bento do Sul, Amanda Baum, que fez parte do grupo de visitantes, contou aos pacientes a história sobre um ipê e uma borboleta, estabelecendo uma analogia entre a queda das folhas das árvores e a queda dos cabelos durante a quimioterapia. Junior Silva, barbeiro que participou da ação, envolveu as crianças em uma espécie de “curso de cabeleireiro”, ensinando-as a usar máquinas de cortar cabelo. As crianças então puderam praticar seus ensinamentos com os estudantes da Engenharia de Computação, que se dispuseram a ter seus cabelos raspados na atividade. Ao final, os pequenos receberam da equipe do hospital “certificados” pelo curso concluído, entregues pelo barbeiro Junior.

Coordenadora do Projeto, a professora de matemática do Campus São Bento do Sul, Ranuzy Borges Neves acredita que esta foi a ação mais bonita e impactante realizada pelo “Trote Solidário”, por ter se tratado de uma visita a crianças em um hospital:  “Foi lindo ver o sorriso dos pacientes, pais e também de nossos alunos e servidores. Fiquei muito emocionada ao ver tanta gente ‘comprando a ideia’ do voluntariado. Não nos custou muita coisa: nosso tempo, uns ml de sangue ou uns fios de cabelo, porém tenho certeza de que o impacto gerado na vida de quem vai receber nosso sangue, ou daquelas crianças que estiveram com a gente, será infinitamente superior a qualquer ‘sacrifício’ que tenhamos feito! Meu desejo é o de que essas sementinhas de amor ao próximo continuem sendo plantadas por onde formos! Tenho procurado mostrar aos alunos que a Matemática vai muito além de fazer cálculos, e que, ao sairmos de uma instituição de ensino, depois de formados, sejamos pessoas melhores para o mundo em todos os aspectos”, afirmou a professora.

Para os alunos que participaram da ação, a experiência também foi marcante. O calouro da Engenharia de Computação Claudio Rodrigues relatou: “Foi inspirador estar lá e ver o sorriso de uma criança que, apesar de não conhecermos, percebemos que é verdadeiro. Eu senti que ganhamos amigos naquele momento.” Outros estudantes do IFC também compartilharam do mesmo sentimento de satisfação em poder ajudar outras pessoas, por meio da doação de sangue e do cadastro no banco de doadores de médula óssea, além da visita as crianças do hospital. Bolsista do Trote Solidário, o acadêmico de Engenharia de Computação Felipe Veidz conseguiu resumir o espírito de generosidade e otimismo que envolveu mais esta ação do projeto: “Foi incrível ver todo o entusiasmo daquela galera! Sinto-me extremamente grato de fazer parte desse projeto, desse movimento que só tende a crescer com todo o apoio da comunidade, pois tudo depende deles e é pra eles!”, comentou.

Confira as imagens da visita aqui:  Trote Solidário 18/09/2019

Texto: Cecom/São Bento do Sul/Maria Clara Malheiros
Fotos: Equipe do Projeto Trote Solidário