Brasil – Governo Federal – Ministério da Educação

Alunos produzem diário alimentar no Campus Luzerna

A preocupação com a qualidade da alimentação é uma constante em todas as etapas da vida. Na adolescência, os hábitos que se referem a esta questão devem ser tratados com atenção especial da família e, por que não, da escola. Pensando nisto, uma atividade conjunta entre três disciplinas do Ensino Médio Integrado em Segurança do Trabalho, do Instituto Federal Catarinense (IFC) – Campus Luzerna, foi elaborada junto aos estudantes do primeiro ano do curso.

A ação aconteceu na quarta-feira, 30, e reuniu professores das disciplinas de Saúde e Políticas Públicas; Estatística; e Educação Física. Com o tema “Comer por prazer ou saúde?”, os estudantes foram conscientizados quanto às suas escolhas e possibilidades de mudança de hábitos alimentares e práticas de atividades físicas.

A iniciativa rendeu um diário alimentar em que cada aluno registrou, durante o período de uma semana, tudo o que é ingerido em cada refeição: café da manhã, lanche, almoço, lanche da tarde, janta e ceia. Depois, os dados foram transformados em resultados estatísticos com formulação de tabelas e gráficos. Leituras de artigos e revistas sobre saúde, alimentação e receitas também fizeram parte da atividade. Ao final, os estudantes fizeram um lanche de confraternização e refletiram sobre as mudanças provocadas na semana de confecção do diário alimentar.

Anaiele dos Santos, uma das alunas, já percebeu alguns deslizes que fazia nas suas refeições, mesmo sem querer. “O que mais chamou a minha atenção foi a importância da ceia, feita após o jantar”, destaca. “Na verdade nós comemos e não sabemos o que de fato estamos ingerindo. Percebi, com a atividade, que minha alimentação era muito desregrada. Tomava muito líquido e acabava me esquecendo da comida, por exemplo. A partir de agora já inseri as seis refeições necessárias e comecei a ficar de olho em tudo que como.”

Outro fato ressaltado pela aluna foi a integração de três disciplinas tão diferentes. “Isso é muito legal. Geralmente nós nos concentramos, nas aulas, em apenas um assunto. Nessa atividade nós verificamos três pontos. A Estatística nos alertou sobre quantos da turma têm uma alimentação não tão interessante; a disciplina de Saúde para vermos o quanto isto é importante para cada um; e Educação Física no sentido de nos movimentarmos mais”, fala Anaiele.

A integração entre as disciplinas curriculares do Instituto Federal Catarinense está não apenas no nome do curso de Ensino Médio Integrado, que oferta o ensino normal com o profissionalizante. Ela perpassa também o diálogo entre matérias que em um primeiro olhar podem ser tão distantes mas que no fundo se conectam. “Unir as disciplinas de Saúde e Políticas Públicas, Educação Física e Estatística é mais uma forma de mostrar que a Matemática está em tudo o que fazemos”, afirma Ranúzy Borges Neves, professora de Estatística. “Quando sabemos fazer uso dela de maneira adequada, percebemos que os resultados obtidos são muito mais satisfatórios”.

Já no caso da Educação Física, o professor Humberto Luis de Cesaro diz que o entendimento desta disciplina deve ir muito além do jogo ou do esporte. “A intenção é de que a matéria seja capaz de dar conta da maior variedade possível de práticas corporais, para que nossos estudantes sejam capazes de escolher, depois que saírem do instituto, aquilo que mais lhe interessarem como forma de lazer e/ou de cuidado com a saúde”, conta. “Esta atividade integrada serviu para mostrar aos nossos estudantes que é possível se alimentar de uma forma bastante saudável sem abrir mão do sabor e da variedade, assim como é possível se engajar em atividades físicas que não sejam maçantes e pouco atrativas”.

Para a coordenadora do curso e professora de Saúde e Políticas Públicas, Giordana Caramori, o diário alimentar possibilita a percepção exata da quantidade de líquido ingerido, bem como o levantamento das refeições feitas; as que não foram feitas; e a qualidade do alimento escolhido. “Esta técnica faz com que o aluno reflita quanto às suas escolhas e ainda quanto às possibilidades de mudança de hábito. O paralelo da alimentação junto à prática de atividade física é importante no sentido de que não há ganhos significativos quando se faz mudanças alimentares positivas, sem a adesão à prática da atividade física. Isso é importante para a prevenção de doenças e qualidade de vida. Uma coisa deve caminhar com a outra”, complementa.

Texto e imagens: CECOM/Luzerna.

Compartilhar Facebook Compartilhar Twitter

Esta notícia foi editada na terça-feira, 5 de abril de 2016, às 18:38 por Nicole Trevisol.

Últimas notícias: