Conif e Andifes divulgam nota pública conjunta sobre a nomeação de dirigentes eleitos

Em convergência com as comunidades acadêmicas, o Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif) e a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) vêm a público manifestar apoio à nomeação dos gestores eleitos em processos democráticos. Tal defesa objetiva preservar o equilíbrio e o integral cumprimento de uma das finalidades institucionais: para além da qualificação profissional, produção de ciência, tecnologia e inovação, a formação de cidadãos.

Por respeitar as escolhas das comunidades acadêmicas, cujos pleitos são realizados com transparência e de acordo com os ritos legais, o Conif e a Andifes sustentam a nomeação dos candidatos escolhidos em conformidade com a maioria de votos dos docentes, estudantes e servidores técnico-administrativos da Rede Federal – institutos federais, centros federais de educação tecnológica (Cefets), o Colégio Pedro II e as universidades federais, de modo a mitigar prejuízos e instabilidades e aprimorar governança e governabilidade no funcionamento das instituições.

Em diversas agendas com o Ministério da Educação (MEC), o Conif e a Andifes pleiteiam, reiteradamente, que a nomeação dos primeiros colocados em processos eleitorais seja realizada dentro da menor brevidade possível, respeitando a autonomia institucional e aplicando os valores democráticos historicamente implementados no País. Temos a convicção de que as políticas públicas de interesse da sociedade brasileira são viabilizadas pela legitimidade dos gestores públicos.

O Conif e a Andifes se manifestam contrários à nomeação de gestores externos às instituições, mesmo que de forma pro tempore, como ocorre no Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (Cefet/RJ), e defendem que seja respeitada a vontade apresentada nas eleições.

Assim sendo, expõem solidariedade à comunidade acadêmica do Cefet/RJ e reforçam a atuação conjunta para que a conclusão do processo em questão ocorra com a celeridade que o caso requer.

Brasília, 19 de agosto de 2019.

Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif)

Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes)

Consuper promove 9ª reunião ordinária

O Conselho Superior (Consuper) do IFC – Biênio 2017/2019 promoveu, no dia primeiro de agosto, sua nona reunião ordinária, na Sala dos Conselhos da Reitoria.

O encontro tratou dos seguintes tópicos:

Informe: atual composição do Conselho Superior

O presidente interino do Conselho, professor Cladecir Schenkel, falou brevemente sobre sua a atual composição – que, após alguns pedidos de afastamento temporário e de desligamento, constitui-se hoje de 23 membros aptos – e as consequentes dificuldades de quórum em algumas ocasiões. Alguns setores encontram-se sem representação ou suplência. A formação atualizada do Consuper está disponível na página do Conselho na internet: http://consuper.ifc.edu.br/

Informe: Processo nº 23348.004747/2018-49 – Regulamento para implantação da CISSP (Comissão Interna de Saúde do Servidor Público)

Após avaliação pela Câmara de Desenvolvimento Institucional, a proposta de minuta do regulamento foi devolvida à Comissão para análise das observações levantadas. O Consuper agora aguarda o retorno da comissão para retomar a pauta.

Informe: Portaria nº 1887/2019

Cria comissão para avaliar os impactos das Diretrizes Curriculares do Ensino Médio nos cursos do IFC – em especial, os da área agrícola. Foram dados esclarecimentos sobre os encaminhamentos da secretaria do Consuper para organização dos horários de reunião da comissão e definição de seu coordenador.

Após os informes, foram avaliados os itens da pauta:

Resolução ad referendum nº 008/Consuper/2019 – Projeto Pedagógico de Curso Proeja – Qualificação Profissional Jardineiro – Ensino Médio – Campus Araquari

Atende demanda do Campus Araquari, que firmou parceria com Prefeitura da cidade para ofertar o curso via Proeja. A Administração Municipal solicitou que as aulas começassem já no segundo semestre. A resolução ad referendum acelera a aprovação do Projeto, possibilitando assim que o curso seja ofertado no prazo solicitado.

A matéria foi aprovada por unanimidade.

23348007377/2018-00 – Processo Administrativo; Comissão Permanente de Legislação, Normas e Recursos

O processo trata de um vídeo, postado na rede social Facebook após as eleições de 2018, em que são feitas acusações a respeito de propaganda política e ideológica feita por professores em sala de aula no IFC. A publicação coincide com o episódio em que a deputada Ana Caroline Campagnolo solicitou a estudantes que registrassem em vídeo o que ela classificou como “atitudes ideológicas” em sala de aula e “denunciassem” por meio de um número de telefone.

Diante do entendimento de que o vídeo prejudica a imagem do Instituto, o IFC encaminhou à Procuradoria-Geral da República uma solicitação de auxílio sobre as medidas judiciais cabíveis – bem como notificou o Ministério Público Federal sobre o ocorrido.

Após extensa deliberação e avaliação dos diversos encaminhamentos propostos pelos conselheiros, ficou entendido que houve agravo ao IFC no vídeo. Diante disso, o Instituto vai notificar o Ministério Público de que aguarda o resultado da investigação em curso. Mesmo não tendo identificado materialidade e pessoalidade na denúncia feita, o Conselho irá enviar à Corregedoria para apuração. O Consuper responderá ainda à Procuradoria que aguarde o resultado dessas questões antes de ingressar com qualquer ação legal.

23348008210/2018-58 – Aprovação final do Relatório de Gestão 2018

Após o cumprimento de todos devidos trâmites, o IFC recebeu do Tribunal de Contas da União a declaração de publicação do Relatório, finalizando-se assim o processo com a aprovação do documento. A avaliação final é de que o Instituto cumpriu com suas obrigações institucionais de prestação de contas, produzindo um documento transparente, de fácil leitura e entendimento, no qual são relatadas e publicizadas as ações da instituição no exercício de 2018. Ressaltou-se ainda o trabalho integrado entre todos os campi e a Reitoria para produção do Relatório.

Sobre o Conselho – O Consuper é o órgão máximo do IFC e tem caráter consultivo e deliberativo. As reuniões do órgão são transmitidas ao vivo pela Internet e, depois, disponibilizadas na página do Conselho – permitindo-se, assim, que a comunidade tenha acesso às discussões e decisões tomadas pelos conselheiros.

Assista abaixo à integra da nona reunião ordinária do Consuper:

Texto: Cecom/Reitoria/Thomás Müller
Imagem: Cecom/Reitoria/Carlos Pieri

Campus São Francisco do Sul desenvolve sistema de monitoramento das águas da Baía da Babitonga

O Instituto Federal Catarinense desenvolve, no Campus São Francisco do Sul, um projeto de monitoramento em tempo real da qualidade das águas da Baía da Babitonga. O trabalho, financiado via chamada pública realizada pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMMA), visa desenvolver um protótipo de dispositivo eletrônico para coletar informações sobre o estado da água em diversos pontos da Baía – e que possa, posteriormente, ser replicado para utilização em outros pontos da cidade.

“O sistema vai coletar informações como temperatura, pH e turbidez em diversos pontos da Baía, principalmente em pontos de despejo de efluentes, efetuando um alerta virtual, através de aplicativo, às autoridades competentes – e também aos moradores locais, para que possam auxiliar na fiscalização”, conta o coordenador do projeto, professor Lucas Knebel. “A base de dados norteará ainda os investimentos para a despoluição da Baía da Babitonga em seu aspecto de balneabilidade, contribuindo de forma direta e indireta para a saúde pública, as atividades de pesca, o turismo, o comércio e a qualidade de vida e de lazer da população local e dos turistas no município”.

Knebel explica que a elaboração do projeto atua nos três eixos institucionais – Ensino, Pesquisa e Extensão. “O trabalho envolve estudantes de nível médio e superior – respectivamente, de Automação Industrial e Engenharia Elétrica. Quatro destes alunos são bolsistas e desempenham as atividades em conjunto com professores das área de Engenharia, Biologia e Ciência da Computação”.

O professor ressalta que a parceria com o município começou a ser delineada antes mesmo do lançamento do Edital. “O projeto foi apresentado à SMMA para verificarmos se ele atenderia à comunidade local e regional, seguindo assim um dos princípios norteadores do IFC. O secretário Gabriel Conorath nos deu essa confirmação, uma vez que o projeto poderia contribuir para que as praias do município conquistem a certificação internacional de Bandeira Azul – que tem como um dos critérios a qualidade da água”, diz.

A Bandeira Azul é concedida anualmente pela Fundação para a Educação Ambiental, sediada na Dinamarca, a praias e marinas que cumprem uma série de requisitos de qualidade ambiental, infraestrutura, segurança e conservação.

“Após a consulta inicial à SMMA, o edital de fomento foi lançado, e o projeto ficou classificado entre os que receberam o fomento no valor de R$ 30.000,00. Além disso, este é também o primeiro projeto do IFC a trabalhar com a Fundação de Amparo à Pesquisa e Extensão Universitária – FAPEU/UFSC”, conta o pesquisador.

Segundo Knebel, o monitoramento em tempo real das águas contribui tanto para a preservação do meio ambiente quanto para a proliferação do turismo. “Além integrar o sistema e contribuir para a manutenção da fauna e da flora, parte da população local tira seu sustento a partir do mar – que, por sua vez, tem de estar em boas condições para a proliferação de espécies de vida marinha. Já os turistas querem conhecer as belezas naturais, velejar e mergulhar; imagine então com seria bom se, antes de se banhar na água da baía ou do mar, eles pudessem consultar sua qualidade em tempo real. Esse protótipo também possibilitará isso”, destaca.

O coordenador do projeto ressalta que o trabalho está em sua fase inicial. O primeiro teste oficial de conclusão está previsto para meados de 2020. Após a implementação final, a manutenção dos equipamentos será efetuada pelos estudantes do IFC – estreitando-se assim a relação entre o IFC e o município. “Pode-se ainda dizer que este projeto será vitalício e terá seu status modificado para programa logo que se der a implementação em diversos pontos das praias”, conclui.

Texto: Cecom/Reitoria/Thomás Müller
Imagem : Arquivo pessoal/Lucas Knebel

IFC instala Biblioteca Comunitária na Reitoria

O prédio da Reitoria do IFC conta agora com uma nova opção de entretenimento e cultura: a Biblioteca Comunitária. Localizado na recepção, o local é destinado à apreciação e troca de livros entre estudantes, servidores e comunidade. A ideia é que, além de incentivar a leitura, a estrutura funcione ainda como um espaço de convivência.

A Biblioteca funciona da seguinte forma: os livros podem ser lidos no local ou emprestados para leitura em casa. Todos os volumes vêm de doações; se você quiser contribuir para o aumento da coleção, basta separar os livros que quer doar e entregar na sala da Coordenação-Geral de Comunicação (Cecom), situada no mezanino.

Incentivar a leitura – não só no ambiente de trabalho, mas no cotidiano – é muito importante. Cultivar esse hábito traz diversos benefícios, como melhora da escrita e vocabulário, aumento na capacidade de comunicação e da criatividade, acúmulo de conhecimento e exercício para a memória.

Texto e imagem: Cecom/Reitoria/Thomás Müller

Entenda como funciona o processo de consulta para Reitoria, Direções-Gerais e Consuper do IFC

O período de campanha do processo de consulta à comunidade acadêmica para escolha de candidatos à Reitoria, Direções-Gerais de campus (com exceção dos campi avançados de Abelardo Luz e Sombrio) e Conselho Superior do IFC teve início na última segunda-feira (5) e segue até 2 de setembro. Durante esse prazo, cada um dos participantes pode apresentar suas propostas aos e estudantes e servidores do Instituto – que, assim, poderão embasar melhor suas escolhas.

Cada candidato poderá fazer visitas de campanha aos diversos setores do IFC e também participar de debates entre si. A votação está marcada para o dia 4 de setembro, das 9h às 21h, e será feita por meio de urna eletrônica.

O processo de consulta foi oficialmente deflagrado no dia 24 de junho, com a publicação do Edital que regulamenta o certame. O documento foi publicado pela Comissão Eleitoral Central, instituída um pouco antes, no dia 6 de junho. “A Comissão é responsável por elaborar as normas e conduzir todo o procedimento de escolha”, explica a secretária do órgão, Bárbarah Sorgetz. “Isso inclui disciplinar os procedimentos de inscrição de candidatos, homologar as candidaturas para a Reitoria e o Consuper, determinar as regras de campanha, delinear o processo de votação, definir o cronograma do processo e publicar e encaminhar os resultados da votação ao Conselho Superior, entre outras atribuições”.

Esse trabalho é realizado com o apoio das Comissões Eleitorais Locais, que atuam diretamente nos campi. “São elas que recebem as inscrições de todos os candidatos,  homologam as candidaturas para os cargos de diretores-gerais e designam as mesas receptoras de votos, credenciam os fiscais de votação e operacionalizam toda parte burocrática – além de supervisionar as campanhas e organizar eventuais debates”, conta Bárbarah.

De acordo com a secretária da Comissão Eleitoral, após a votação e o período de recursos, o resultado final é proclamado pelo órgão e enviado ao Consuper para homologação. “Os conselheiros vão, então, apreciar o processo e homologar os eleitos para as Direções-Gerais e para a o próximo mandato do Consuper. A nomeação dos novos diretores-gerais e conselheiros é efetuada por ato do IFC; o nome escolhido para a Reitoria é enviado ao Ministério da Educação. A nomeação fica a cargo do presidente da República”, diz.

Os mandatos da Reitoria e das Direções-Gerais são de 4 anos – ou seja, de janeiro de 2020 a janeiro de 2024. Já os novos membros do Consuper terão mandato mais curto: de janeiro de 2020 a janeiro de 2022.

Todos os documentos relativos ao processo de consulta – incluindo o regulamento completo do certame e o cronograma de visitas dos candidatos ao cargo de reitor(a) – estão disponíveis no site eleicoes.ifc.edu.br.

Texto: Cecom/Reitoria/Thomás Müller
Imagem: Cecom/Reitoria/Amanda Cadore (estagiária)

Conif divulga nota oficial sobre o programa Future-se

O Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif) externa sua preocupação com o anúncio, pelo Ministério da Educação (MEC), do programa Future-se, e torna públicos pontos reflexivos sobre essa ação governamental.

Abstraindo seu mérito, a raiz conceptiva da proposta já traz um notório problema de método, que está expresso na inteira exclusão dos agentes públicos, dos corpos dirigentes e das representações coletivas institucionais do debate relativo à sua construção, em razão do que a notícia provocou espanto e surpresa em toda Rede.

Uma formulação de interesse público, que se dispõe inclusive a alterar leis em vigor e a afetar princípios consagrados, como preliminarmente se apresenta, precisa ser amplamente esmiuçada no plano coletivo, não sendo razoável aligeirar seu anúncio, em desfavor do debate.

Este Conselho também entende que nenhuma ação de futuro deve preceder o ato de sanar a grave situação financeiro-orçamentária vivenciada pela Rede, cujo funcionamento se encontra seriamente ameaçado pelos bloqueios então processados. O viés temporal é primordial, pois como podemos cogitar políticas públicas estruturantes de futuro se o nosso tempo presente está comprometido e é inseguro e incerto? Arrumemos, primeiro, nosso tempo presente, dissipemos as inseguranças e as incertezas; e, em paralelo, cuidemos do tempo futuro, com planejamento, organização e nossa ampla participação.

A proposta ainda é incipiente e enseja diversas dúvidas, que precisam ser esclarecidas, e também depende de atos posteriores de regulamentação, o que sugere traços de indefinições e imprecisões. Além do que, note-se a superficialidade com que são tratados conceitos cruciais, como a autonomia da gestão institucional, aduzida no texto preliminar de forma difusa e ambígua, sombreada por organizações sociais e fundos de investimento, elementos estranhos ao nosso universo.

Reafirmamos nosso compromisso com a observância dos postulados consagrados no ordenamento jurídico vigente, cujo cerne é a garantia da educação pública, gratuita, qualificada e socialmente referenciada, como direito inalienável de todos os brasileiros e dever do Estado, o qual figura como vetor, provedor e mantenedor de sua estrutura e de seu funcionamento, conforme preceituam ainda fundamentos constitucionais.

Defendemos, nessa mesma linha, as políticas de inclusão da Rede Federal, que absorvem jovens e adultos em situação de risco social; e de interiorização, que contemplam a população pobre dos pontos remotos do Brasil, atualmente desalentadas e desesperançadas.

São parâmetros basilares desse ordenamento a lei 11.892/2008, que institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, e a lei 13.005/2014, que aprova o Plano Nacional de Educação, diplomas legais que orientam e regem tais postulados, e se construíram à luz de debates em planos coletivos, perante a sociedade organizada, a academia e o parlamento brasileiros.

Propomos, nessa lógica, a formação de uma mesa de diálogo com o Ministério da Educação, que trabalhe na perspectiva de garantir o papel da União como provedor do direito constitucional à educação, de buscar soluções para a natureza pública de seu financiamento e para consolidar a Rede Federal.

Vislumbrando, portanto, essa educação como um precioso bem de todos, reforçamos que toda ação ou política que lhe diz respeito precisa ser objeto de ampla discussão, desde as bases acadêmicas de nossos espaços, em interlocução com a sociedade organizada e os agentes públicos governamentais, até o parlamento, a quem caberá legislar sobre matéria de tamanho interesse para o futuro da educação em nosso país.

Brasília, 1 de agosto de 2019.

2ª Reunião Extraordinária do Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif) em 2019

Clique aqui para acessar a nota em PDF.

Consuper promove 6ª reunião extraordinária

O Conselho Superior (Consuper) do IFC – Biênio 2017/2019 realizou reunião extraordinária no último dia 27. O encontro aconteceu na Sala dos Conselhos da Reitoria, das 8h30 até as 17h30.

Os principais pontos discutidos pelos conselheiros foram os seguintes:

Processo Administrativo no Campus Camboriú

Trata da invasão de uma reunião da seção Litoral do Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe) por pessoas estranhas ao IFC, ocorrida no dia 24 de outubro do ano passado. Na ocasião, essas pessoas tentaram transmitir a reunião pela internet, sem a permissão ou o conhecimento dos servidores, por motivos ideológicos. Diante da constatação de que não houve participação de servidores no ocorrido, o processo foi arquivado.

A Procuradoria Federal apontou a possibilidade de tutela judicial de danos morais em relação ao caso, ficando autorizada a Advocacia-Geral da União a atuar em nome do Instituto – encaminhamento este que foi aprovado por unanimidade pelo Conselho.

Regulamento Institucional de utilização de veículos oficiais do IFC

Este ponto tratou da adequação do regulamento de utilização dos veículos do Instituto à legislação nacional – trabalho que foi desenvolvido por servidores do Instituto, com apoio da Procuradoria Federal.

Após questionamentos dos conselheiros sobre a minuta, como o detalhamento das categorias da Carteira Nacional de Habilitação necessárias para cada caso, a possibilidade do uso dos veículos por alunos (em casos, por exemplo, de representação em Conselhos) e servidores terceirizados, e sobre a adaptação do atual formulário eletrônico ao regulamento, entre outros, o Conselho decidiu que a minuta deve retornar para a Comissão de Adequação e Normas, para que sejam feitas as alterações necessárias.

Política de Inclusão e Diversidade do IFC

Trata-se de documento elaborado por professores e técnicos de vários campi do IFC, com o objetivo de qualificar o atendimento ao público considerando as reais necessidades da instituição. A Política tem como princípios o compromisso com os direitos humanos e a cidadania, equidade nas condições de acesso, permanência e êxito no percurso formativo, justiça social e combate ao preconceito, gestão democrática, sustentabilidade socioambiental, respeito às particularidades dos campi e respeito à liberdade de educação com valores éticos e humanísticos dentro de uma instituição inclusiva e diversa.

A minuta da Política foi aprovada por unanimidade pelo Consuper.

Política de Línguas do IFC

Documento que implementa medidas para potencializar, promover e ampliar a inserção internacional de estudantes e servidores do IFC, dando assim visibilidade às atividades do Instituto no cenário global. Dispõe sobre instrumentos como o Centro de Línguas e o credenciamento do IFC como núcleo de Línguas no âmbito do programa Idioma Sem Fronteiras.

A minuta foi aprovada por unanimidade pelo Conselho.

O Consuper dispôs ainda sobre a atualização no Regimento Interno do Concampus; aprovou o Projeto Pedagógico do Curso Técnico Subsequente em Administração no Campus Fraiburgo – passo importante para a criação do curso na unidade; e decidiu favoravelmente sobre o Projeto Pedagógico de Certificação Profissional (PPCP) Docente da Educação Profissional, permitindo assim que o IFC – inicialmente, no Campus Araquari – se torne unidade certificadora. O Conselho teve ainda como ponto de pauta a avaliação de recurso em um Processo Administrativo Disciplinar.

Sobre o Conselho – O Consuper é o órgão máximo do IFC e tem caráter consultivo e deliberativo. As reuniões do órgão são transmitidas ao vivo pela Internet e, depois, disponibilizadas na página do Conselho – permitindo-se, assim, que a comunidade tenha acesso às discussões e decisões tomadas pelos conselheiros.

Assista abaixo à integra da sexta reunião extraordinária do Consuper:

Texto: Cecom/Reitoria/Thomás Müller
Imagem: Cecom/Reitoria

Mestrado em Educação promove aula inaugural sobre relação teoria-prática na formação de profissionais

Com o auditório formado por professores da região e alunos do Campus Camboriú, a coordenadora do mestrado acadêmico em Educação, Filomena Lucia Gosller Rodrigues da Silva, participou da abertura da aula inaugural da pós-graduação e contou o percurso institucional para a conquista do primeiro curso nesse formato e área, presente em um Instituto Federal (IF). A docente destacou também a importância da pós-graduação lato sensu em Educação, ofertada pelo campus, na contribuição do processo de verticalização até a chegada do mestrado.

Na oportunidade, a diretora de desenvolvimento educacional, Sirlei Albino, ressaltou o papel dos Institutos Federais no atendimento aos arranjos produtivos locais. “É um compromisso muito grande formar profissionais da educação. Esse é um daqueles momentos em que percebemos que valeu a pena toda a nossa dedicação. Tenho certeza que é somente um início de um stricto sensu no campus. Vocês vão ajudar a construir a história da educação aqui”, disse.

A reitora do IFC, Sônia Fernandes, também destacou o papel dos IFs na verticalização do ensino e a importância da interiorização do ensino para ampliação do acesso à população. “Os IFs trouxeram a oportunidade para aqueles que estavam longe da oferta pública de educação presente somente nas universidades”, falou. A reitora ressaltou a relevância da pós-graduação lato sensu para a aprovação do mestrado. “Temos muita responsabilidade social por meio deste stricto sensu. Vamos produzir conhecimento e contribuir com o desenvolvimento do país. Temos que valorizar esse espaço de educação pública, gratuita e de qualidade referenciada. Os IFs valem a pena: educação é investimento”, disse.

Sobre a palestra – Para aula inaugural do mestrado acadêmico em Educação do IFC, a instituição recebeu a professora Maria Isabel Cunha, da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), para palestrar sobre “A relação teoria-prática na formação de profissionais: implicações para a pedagogia universitária”.

Para iniciar o debate, Maria Isabel questionou os participantes sobre a escolha da profissão docente. Os motivos que induziram a essa profissão, a construção e inserção do “lugar como professor(a)”, pedagogia, entre outros pontos nortearam a conversa. “Hoje o professor é muito mais um organizador dos processos de aprendizagem do que um transmissor do conhecimento. E para organizar é muito complexo, exige compreender a estrutura cognitiva dos estudantes, da cultura onde estamos e muito mais. Envolve múltiplos saberes”, ressaltou a docente.

A palestrante destacou também os estudos do canadense Maurice Tardif a respeito da formação dos professores. “A formação docente vai além do currículo acadêmico, ela também é pautada nas experiências do percurso enquanto estudante e durante toda prática pedagógica, história de vida, cultura, entre outros fatores”, destacou.

Texto e imagens: Cecom/Camboriú/Marília Massochin

Estudante do Campus Rio do Sul representa IFC no IX Ciepe

O estudante Hemerson Zwang Pereira, do curso técnico em Agropecuária integrado ao Ensino Médio do Campus Rio do Sul,  apresentou o trabalho “Benefícios e Malefícios do uso de Plantas Medicinais” no IX Congresso Integrado de Ensino, Pesquisa e Extensão (Ciepe), promovido pelo Centro Universitário para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí – Unidavi. O evento, realizado em maio, reuniu projetos de Iniciação Científica de estudantes de diversas instituições de ensino da região.

O trabalho de Hemerson, que tem como público-alvo estudantes de Bacharelado em Enfermagem, trata do uso de plantas medicinais como terapia complementar ou medicina alternativa. “Em sua pesquisa, ele constatou que, diante da utilização em grande escala dessas plantas, é necessário promover iniciativas de esclarecimento da população em geral e, principalmente, dos profissionais da Saúde sobre as reações adversas e interações medicamentosas perigosas que elas podem apresentar”, explica a orientadora do aluno, professora Claudia Cambruzzi.

Além de ser apresentado e debatido no evento, o projeto foi também publicado no Caderno de Resumos do IX Ciepe. “Participar desse evento foi uma experiência ótima, pois além de divulgarmos o conhecimento adquirido ao longo do projeto, conseguimos realizar uma análise do nosso público-alvo sobre o tema abordado”, diz Hemerson, que participa ainda de outos projetos científicos no IFC.

O jovem pesquisador ressaltou ainda a importância da prática da extensão dentro do curso. “A produção científica dentro de nossa instituição é enorme, e muitas vezes as pesquisas colaboram para o desenvolvimento da comunidade. Por isso, oportunidades como esta, de divulgação acadêmica, são muito importantes para a dispersão de conhecimentos”.

Texto: Cecom/Reitoria/Thomás Müller
Imagem:  Claudia Cambruzzi

Campus Blumenau é destaque em desempenho no Enem

O Instituto Federal Catarinense Campus Blumenau obteve o quarto melhor desempenho entre as escolas públicas de Santa Catarina no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2018. Os dados foram divulgados pelo Ministério da Educação (MEC) em junho, mas as informações foram tabuladas, organizadas em listas e publicadas pelo jornal Folha de S. Paulo.

No Enem 2018, os estudantes do Campus Blumenau obtiveram média de 616.19 nas provas objetivas e 594.06 na redação. Considerando as escolas públicas e privadas de Blumenau, o campus também fica com o quarto melhor desempenho. Observando todas as escolas públicas e privadas de Santa Catarina, ocupa as posições 49ª, na média das provas objetivas, e 170ª na redação. Dentre os campi do IFC, o campus Blumenau fica em primeiro lugar.

A Diretora de Desenvolvimento de Ensino, Rita de Cássia da Silveira Cordeiro, ressalta que os estudantes das redes federais de ensino sempre se destacaram nos exames de ingresso ao ensino superior no país, e, em Blumenau, não poderia ser diferente. “Com apenas sete anos de existência na região, o campus Blumenau já ocupa posição de destaque. Temos muito a celebrar e parabenizamos nossos estudantes e nosso quadro de servidores por essa conquista. Também agradecemos a confiança depositada pelas famílias que nos escolheram para auxiliá-las na formação de seus filhos. Sigamos em frente, certos de que estamos cumprindo nosso compromisso com a sociedade”, acrescenta.

Texto: Cecom/Campus Blumenau/Gisele Silveira