Ciclismo como modal de mobilidade urbana

Nos A?ltimos tempos, tem-se discutido amplamente a mobilidade urbana, seja pelo excesso de veA�culos automotores individuais ou pelas deficiA?ncias dos transportes coletivos. Uma das soluA�A�es apontadas A� a intermodalidade, a partir da qualA�se propA�e a utilizaA�A?o de mais um modo de transporte, dentre eles a bicicleta.

O ciclismo se apresenta com grande vantagens para viagens urbanas de curtas aA�mA�dias distA?ncias. As bicicletas ocupam pouco espaA�o no trA?nsito ou nas residA?ncias, nA?o emitem poluentes, apresentam modelos de baixo custo, necessitam de equipamentos de seguranA�a bA?sicos e, ainda, estimulam a atividade fA�sica.

O CA?digo de Transito Brasileiro (Lei nA? 9.503, de 23 de setembro de 1997) considera as bicicletas como um veA�culo de passageiros de propulsA?o humana (nA?o motorizado) que deverA? respeitar as regras de trA?nsito. EstA? estabelecido, tambA�m, que as bicicletas devem, preferencialmente, utilizar-se de ciclovias, ciclofaixas ou acostamentos, sendo permitido, quando da inexistA?ncia destes, a circulaA�A?o pelos bordos das pistas de rolamento no mesmo sentido de circulaA�A?o da via. Em A?ltimo caso, poderA?, o A?rgA?o responsA?vel, autorizar a circulaA�A?o de bicicletas sobre os passeios devidamente sinalizados.

Apesar do esforA�o que vem se fazendo para implantaA�A?o de ciclovias e ciclofaixas nas nossas cidades, esta tarefa ainda estA? incipiente. Poucas ruas de poucos bairros jA? tA?m implantados estes espaA�os para as bicicletas, os quais, nA?o raramente, nA?o estA?o interligados.

As dificuldades comeA�am a ficar mais evidentes quando passamos a utilizar estes equipamentos e encontramos projetos deficientes, falta de manutenA�A?o e descaso dos demais usuA?rios das vias.

No dia 27 de novembro de 2016, o canal do YouTubeA�”Pra Quem Pedala” publicou um vA�deo falando das condiA�A�es fA�sicas das ciclovias da cidade de BrasA�lia e de atropelamentos de ciclistas. Confira o vA�deo abaixo.

Mas nA?o podemos pensar que somente no Brasil, ou em paA�ses menos desenvolvidos de uma forma geral, a vida dos ciclistas encontra adversidades. Aparentemente, o desrespeito com as faixas de circulaA�A?o de bicicletas nos Estados Unidos tambA�m causa indignaA�A?o. No dia 07 de junho de 2011, o canal do YouTubeA�”CaseyNeistat” publicou um vA�deo falando da dificuldade em cumprir as leis da cidade de New York, em que o protagonista, apA?s receber uma multa por nA?o estar trafegando de bicicleta pela ciclofaixa, demonstra diversos casos em queA�o ciclista se vA? impossibilitado de continuar na sua faixa de ciclismo, culminando com a cena final, na qual um veA�culo da polA�cia estA? estacionado sobre a bike lane. Confira.

Outro vA�deo bem humorado foi publicado, no dia 16 de julho de 2016, pelo canal do YouTubeA�”Pedaleria”, o qual trata, mais especificamente, dos erros de projeto ou execuA�A?o das ciclovias na cidade de SA?o Paulo. Com a apresentaA�A?o de um sistema de teletransporte para a bicicleta, o apresentador ironiza com os postes e buracos deixados no meio das ciclovias e com as larguras insuficientes para o cruzamento de duas bicicletas.

NA?o podemos falar apenas dos problemas estruturais, temos que abordar tambA�m o comportamento dos usuA?rios, tanto motoristas quanto ciclistas. Pelas leis brasileiras, os pedestres e ciclistas tA?m preferA?ncia sobre os veA�culos automotores; entretanto, o comportamento daqueles mais frA?geis pode ajudar a evitar acidentes.

No dia 6 de setembro de 2016, o canal do YouTubeA�”Bike A� Legal” publicou um vA�deo falando das soluA�A�es para os ciclistas nos cruzamentos de Berlim, na Alemanha. As imagens mostram o respeito dos motoristas comA�relaA�A?o A�sA�bicicletas e aos pedestres, e o comportamento organizado dos ciclistas, em especial nos cruzamentos.

problem solving strategies, acquire dapoxetine.

AA�bicicleta pode ser um A?timo modelo de deslocamento no meio urbano, mesmo com as deficiA?ncias da infraestrutura de nossas cidades, se for utilizada com cuidado, adotando-se os equipamentos de seguranA�a e seguindo-se as leis de trA?nsito.

*Texto: NGA/Reitoria.

Deixe uma resposta