Brasil – Governo Federal – Ministério da Educação

Fábrica de Software: um ensaio profissional com resultados reais

Tenho mesmo que aprender estas coisas? Para que eu preciso disso? Como vou usar isso no meu trabalho? Estas são perguntas recorrentes dentro do universo dos estudantes de diversas áreas e níveis de ensino. Uma proposta, dentro do IFC Araquari, fez com que isso fosse respondido no dia a dia de estudantes dos cursos da área de Informática.

Desde o ano de 2013, tem sido proposto um novo caminho para a formação acadêmica e profissional dos estudantes dos cursos de Informática do Instituto Federal Catarinense Campus Araquari. Abriram-se portas para uma formação mais abrangente e completa, que compreende a prática profissional, tal e qual no mercado de trabalho, só que mediada pelo ambiente de ensino. Esta possibilidade foi propiciada com a criação da Fábrica de Software, um espaço de aprendizado que compreende rotinas diárias de um profissional ligado às Tecnologias de Informação (TI) e executa projetos conforme demandas reais de parceiros.

É possível afirmar que a Fábrica de Software serve como um “ensaio profissional” para os discentes dos cursos Técnico em Informática e do Bacharelado em Sistemas de Informação (BSI). A proposta desse ambiente é servir como um agente catalisador de experiências nas áreas de Ensino, Pesquisa e Extensão, por meio do acompanhamento do processo de formação do aluno, antecipando seu contato com as atividades profissionais.

Ao fazer uso de conceitos teóricos, a Fábrica orienta os alunos na adoção de técnicas e ferramentas que permitem analisar, avaliar, projetar, desenvolver e implantar soluções de TI. Portanto, um dos grandes triunfos dessa proposta é a certificação de que os conceitos apresentados em sala de aula estão sendo aplicados para o desenvolvimento de soluções. Ou seja, se o conhecimento passado em sala não está sendo aplicado, é possível verificar e adequar tanto as aulas quanto a execução dos projetos pelos estudantes.

A atuação prática da Fábrica de Software

Aspectos como gerenciamento de equipes, capacitação e até mesmo ações de cunho social são incentivadas e promovidas dentro do escopo de atuação da Fábrica de Software. Além disso, atua no sentido de proporcionar condições para a efetivação de parcerias entre o IFC e outras instituições, sejam elas de ensino, governamentais ou empresariais.

Já são 13 projetos concluídos, dentro da Fábrica de Software, em seus quatro anos de existência, sejam com demandas internas, provenientes de parcerias com a Prefeitura de Joinville ou da Reitoria do IFC, por exemplo. Esta proposta educacional alcança toda a região, como é possível visualizar nos atuais projetos em construção: para o Detran (Joinville), ISSEM (Jaraguá do Sul), Sistema de Gestão de Projetos, Análise de Salto Vertical, Portal do IFC (Reitoria) e Irrigação Automática.

Hoje, são 18 estudantes do ensino superior e três do ensino médio atuando diretamente nos seis projetos em fase de execução. Estes estudantes são coordenados por um “gerente”, que também é aluno dos cursos da instituição, e tem por função acompanhar o andamento de todas as propostas aprovadas para execução. Além disso, cada projeto possui um professor responsável pela orientação. Para o gerenciamento de toda a estrutura da Fábrica de Software, há um colegiado de professores responsáveis, composto pelos docentes do curso de Bacharelado em Sistemas de Informação.

O ambiente de trabalho é constituído por 20 computadores, dois kits arduíno, uma estação meteorológica, uma impressora 3D e quatro tablets. Toda a estrutura deste ambiente de ensino gira em torno de força intelectual e de trabalho dos próprios integrantes da comunidade interna do IFC Araquari, utilizando exclusivamente tecnologia de softwares livres para o desenvolvimento de soluções.

Prova da efetividade de ações como esta é uma taxa 40% maior de estudantes que, após passar pela Fábrica de Software, concluem o curso superior no IFC, comparado àqueles que não tiveram esta experiência. Propostas como esta mostram como os conhecimentos podem ser utilizados na prática, sem custos extras para formação profissional e gerando bons resultados para o ambiente estudantil e também para as empresas que recebem seus projetos em funcionamento.

*Informações: Vanessa Rolim.
**Texto e imagens: Cecom/Araquari.

Compartilhar Facebook Compartilhar Twitter

Esta notícia foi editada na sexta-feira, 24 de novembro de 2017, às 20:42 pela Coordenação-Geral de Comunicação (Cecom).

Últimas notícias: