IFC e Furb registram primeira patente conjunta

O olhar da academia voltado para a comunidade em busca de soluA�A?o de problemas comuns por meio do uso de conhecimento cientA�fico e tecnologias A� a vocaA�A?o da Rede Federal de EducaA�A?o Profissional, CientA�fica e TecnolA?gica. Por isso, o Instituto Federal Catarinense (IFC) tem trabalhado em parceria com a Universidade Regional de Blumenau (Furb) em uma patente que visa diagnosticar com precisA?o e rapidez os eventos de enchentes na regiA?o do Vale do ItajaA�.

OuA�a, abaixo, o A?udio com a entrevista do prA?-reitor e os professores do IFC e da Furb.

Os professores/pesquisadores do IFC, Eduardo Werneck, e da Furb, Marco Mattedi e Leandro Ludwig, estiveram na Reitoria do IFC na manhA? de sexta-feira (25/08/2017) em uma reuniA?o com o reitor em exercA�cio e prA?-reitor de ExtensA?o, Fernando Garbuio, para apresentar os encaminhamentos da CooperaA�A?o TA�cnica entre as instituiA�A�es que envolveu a expertise do IFC em drones, a expertise da Furb com desastres naturais que resultou na proposta de monitoramento em tempo real de enchentes.

Segundo Werneck esse A� o primeiro registro de patente solicitado diante da parceria IFC/Furb. a�?O pedido de registro de patente foi enviado ao Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI) em julho de 2017 e, a partir disso, as instituiA�A�es tA?m atA� 10 anos exclusividade em explorar esse projetoa�?.

Para Mattedi essa parceria representa a uniA?o de esforA�os em busca de alternativas para problemas sociais. a�?Existe aqui uma troca de conhecimento, expertises, tecnologias que, ao serem integradas, resultam em um serviA�o ou um produto que vai beneficiar a populaA�A?o. Estamos, desta forma, introduzindo na sociedade novas tecnologiasa�?, salienta.

critical thinking defined, clomid without prescription.

Leandro explica como o projeto, que estA? no campo das ideias, pretende ser disponibilizado A� comunidade regional. a�?O projeto contarA? com um drone de asa fixa, com sensores, que farA? voos em A?reas de enchente antes, durante e depois do fenA?meno. Nesses voos o drone vai capturar imagens em modelo 3D que serA?o transmitidos, em tempo real, para um software. Assim, os tA�cnicos poderA?o sobrepor os modelos tridimensionais e identificar o impacto da enchentea�?, explica ele.

O modelo, que estA? em fase embrionA?ria, promete trazer uma leitura de cenA?rio mais precisa e confiA?vel sobre as enchentes. a�?Esse tipo de aA�A?o A� um ganha-ganha, uma vez que ganham as instituiA�A�es e ganha a sociedade em trA?s nA�veis: economia de recursos, aceleraA�A?o no processo e justificativa da existA?ncia desses espaA�osa�?, reforA�a o professor Mattedi.

Conforme reforA�a Garbuio, projetos e patentes como a que surge da parceria IFC/Furb reforA�a o papel das instituiA�A�es em aplicar o recurso pA?blico em aA�A�es de retorno para a sociedade. a�?Estamos aqui para ajudar no desenvolvimento regional e a patente vem nesse sentido, ao olhar para o problema social e propor uma soluA�A?oa�?.

AlA�m do retorno social, a patente pode ser vista como uma especialidade da instituiA�A?o. a�?As patentes materializam o conhecimento das instituiA�A�es de ensino em algo que pode ser aplicado A� sociedade. TambA�m, A� o portfA?lio da instituiA�A?o para demarcar o seu territA?rio em uma A?rea de conhecimento. Por meio delas, A� possA�vel que a instituiA�A?o se retrofinancie ao receber royalties de patentes que virem a ser comercializada/usadaa�?, finaliza Eduardo.

*Texto, imagens e A?udio: Cecom/Reitoria,A�por Nicole Trevisol | Jornalista MTE 02499 JP-SC.

Deixe uma resposta