Brasil – Governo Federal – Ministério da Educação

IFC presente na Semana Municipal de Prevenção a Acidentes e Saúde do Trabalhador de Chapecó

O servidor do Câmpus Fraiburgo, Rafael Rodrigo Sens, representou o IFC durante a III Semana Municipal de Prevenção a Acidentes e Saúde do Trabalhador (SEMPAT), que aconteceu nos dias 26, 27 e 28 de abril em Chapecó. Sens acompanhou a palestra “Investigação de Acidentes de Trabalho Graves e Fatais, com Aplicação do Modelo de Análise e Prevenção de Acidentes de Trabalho – M.A.P.A.”, ministrada por Alexandre Beltrami, Engenheiro de Segurança do Trabalho do CEREST de Campinas.

Segundo Rafael, a palestra abordou a relação entre o número de mortes em acidente de trabalho nos anos de 2013/2014 e a divulgação delas na mídia, como também a cobrança do Governo Federal sobre estes índices. O palestrante abordou, ainda, a Organização do Trabalho/Relações de Trabalho, Visão Culposa do Empregador, Análise de Acidentes feitas por profissionais de SST, que estão baseadas em: Ato Inseguro, Descumprimento dos Padrões, Desatenção e Erro Humano. “Beltrami alertou que antes de iniciarmos uma investigação sobre o acidente de trabalho, devemos compreender o passo a passo da função, a organização do trabalho, o mecanismo de funcionamento das proteções coletivas, a interação com o trabalhador acidentado, envolvidos e os setores hierárquicos”, salienta Sens.

Em seguida o palestrante abordou o M.A.P.A, com a seguinte sequência:

1. Análise de acidente do trabalho: objetivos e métodos;
2. Identificação de vítimas, empresas, empreendimentos;
2.1. Informações da empresa contratante;
2.2. Informações preliminares sobre o acidente de trabalho;
2.3. Informações sobre o(s) acidentado(s);
3. Descrição do trabalho habitual (sem acidente);
4.1. Descrição sucinta da sequência de eventos do acidente;
4.2. Descrição detalhada do acidente;
4.3. Análise de barreiras;
4.4. Orientações sobre a condução da análise de barreiras;
5. Análise da gestão e ampliação conceitual da análise;
5.1. Gestão de segurança;
5.2. Gestão de produção e de sua variabilidade;
5.3. Há necessidade de ampliação conceitual da análise?;
6. Conclusões;
6.1. Medidas adotadas pela empresa após o acidente;
6.2. Condutas da vigilância em relação ao acidente;
6.3. Enquadramento legal de fatores participantes do acidente;
6.4. Resumo explicativo dos principais achados da análise.

CONFIRA AQUI o Modelo de análise de acidente de trabalho Cerest/Piracicaba M.A.PA.

* Texto: CECOM/Reitoria.

Compartilhar Facebook Compartilhar Twitter

Esta notícia foi editada na quarta-feira, 3 de junho de 2015, às 13:58 pela Coordenação-Geral de Comunicação (Cecom).

Últimas notícias: