Brasil – Governo Federal – Ministério da Educação

Inclusão social na hora da brincadeira

napneboneca2A boneca Barbie é loira, esguia e com olhos azuis. Sucesso de vendas, milhares de crianças crescem admirando um estereótipo que contempla apenas pequena parcela da população. Atento a isso, o mercado de vendas de brinquedos vem se reestruturando e, nos últimos anos, o que se vê nas prateleiras infantis é uma tentativa de atender todas as características que compõem a população, oferecendo bonecas com variadas nuances de pele, cor de olhos e tipos de cabelos. Ou melhor, quase todas. Crianças com deficiências físicas e marcas de nascença não têm suas características representadas sob a forma de brinquedos. Essa falta de visibilidade dificulta a aceitação e propicia a exclusão e o preconceito.

Cientes disso, um grupo de ativistas iniciou uma campanha por maior diversidade na indústria de brinquedos, que se tornou viral nas redes sociais com a hashtag #ToyLikeMe (brinquedo como eu, em português), reivindicando a produção de mais produtos parecidos com as crianças reais, com todas as suas peculiaridades. Quem atendeu ao pedido foi a marca britânica Makies, que produz bonecas feitas em impressoras 3D, lançando a linha Makie Dolls, que dispõe de uma série de acessórios como bengalas, aparelhos auditivos, óculos e marcas de nascença, que podem ser adquiridos junto com a boneca ou separadamente. Infelizmente, os brinquedos ainda são feitos somente por encomenda e têm um preço bastante alto para a realidade comercial, custando em média cerca de 69 libras, o equivalente a 326 reais.

Apesar de felizes com a resposta, os ativistas afirmam que não vão parar por aí. A intenção é motivar também as grandes empresas do ramo a produzirem brinquedos com representatividade social, para que o valor do produto se torne mais acessível ao público consumidor, e a atitude se dissemine para além das fronteiras britânicas.

* Fonte: http://oglobo.globo.com/sociedade/bonecas-com-deficiencias-sao-lancadas-apos-campanha-nas-redes-sociais-por-diversidade-16170042

** Texto: NAPNE/Reitoria.

Compartilhar Facebook Compartilhar Twitter

Esta notícia foi editada na quarta-feira, 2 de dezembro de 2015, às 21:09 pela Coordenação-Geral de Comunicação (Cecom).

Últimas notícias: