Brasil – Governo Federal – Ministério da Educação

Mensagem da Ouvidoria

Um convite à reflexão sobre a utilidade prática da Ouvidoria em nossa vida. Existe um ditado popular que diz “sou de fazer não sou de falar” que, embora tenha seu mérito, produz o efeito negativo de desmerecer o valor da fala e conseguintemente do diálogo.

Apenas para ilustrar a importância da fala e do falar, na história há muitos registros de guerras que foram evitadas, quando houve a oportunidade de uma simples conversa ou diálogo entre os países em conflito.

De fato, foi pela constatação do valor do ato de falar, ouvir e conversar antes de guerrear que as nações modernas criaram o instituto das embaixadas e gasta-se atualmente uma fortuna para manter embaixadores em outros países. Apenas para conversar, ou seja, apenas para falarem e ouvirem mutuamente sobre suas insatisfações e conflitos com o fim de resolver as diferenças através do acordo amigável.

É oportuno ressaltar que na própria palavra ouvidoria está implícita a ideia de que o diálogo seja nosso principal instrumento de trabalho. O verbo ouvir, por ser transitivo, pressupõe que haja uma interação, pois para ouvir é necessário que haja alguém que fale e vice-versa.

Fica assim implícito que o gesto de ouvir não é algo passivo, pois quem ouve pratica o ato consciente de dedicar tempo e esforço ao se concentrar para ouvir e de raciocinar para entender a mensagem e, naturalmente, há o esforço de se preparar física, emocional e psicologicamente para construir uma resposta que necessariamente envolve uma ou mais ações proporcionais a complexidade do assunto discutido no referido diálogo.

Não apenas para superestimar o valor das ouvidorias, mas para ressaltar sua importância estratégica para as instituições e para a sociedade, se estabelece um paralelo instrucional entre as ouvidorias nas instituições e as embaixadas nos governos, cuja função mais nobre é usar a forma mais eficaz do dialogo para evitar e/ou amenizar conflitos interpessoais, que no fundo são a raiz tanto das guerras como das batalhas judiciais que, além de caras, não produzem plena satisfação sequer para os chamados vencedores, que dirá os vencidos.

Para finalizar, fazemos um convite aos servidores (as), alunos (as), pais e ao público em geral para usarem mais os serviços da Ouvidoria do IFC, pois estamos com as nossas portas, braços, corações e ouvidos abertos para escutá-los ativamente para que juntos, através do diálogo franco e amigável, possamos criar e/ou aumentar nosso próprio “círculo de confiança e de boa vontade” que serve de proteção contra os conflitos, as batalhas pessoais e quem sabe até, como fazem as embaixadas, possamos evitar muitas guerras virtualmente “sangrentas”.

Atenciosamente, Equipe da Ouvidoria IFC.

Mais informações em http://ifc.edu.br/ouvidoria/

Contato: (47) 3331.7800 / ouvidoria@ifc.edu.br

Horário de atendimento: Segunda a sexta-feira, das 8 às 12 horas e das 13h30 às 17h30

* Texto: Equipe da Ouvidoria IFC.

Compartilhar Facebook Compartilhar Twitter

Esta notícia foi editada na terça-feira, 11 de novembro de 2014, às 15:28 por Nicole Trevisol.

Últimas notícias: