Brasil – Governo Federal – Ministério da Educação

NAPNE informa: O que é Surdocegueira?

Segundo Agnoll et al. (apud SALTON; SONZA; STRAPAZZON, 2015, p. 72), “surdocegos são os indivíduos que têm uma perda substancial de audição e visão, de tal modo que a combinação das suas deficiências causa extrema dificuldade na conquista de habilidades educacionais, vocacionais, de lazer e social.”

Existem diversas formas de manifestação da surdocegueira:

  • Indivíduos cegos que se tornaram surdos;

  • indivíduos que eram surdos e se tornaram cegos;

  • indivíduos que se tornaram surdocegos;

  • indivíduos que nasceram com a surdocegueira.

Geralmente, a surdocegueira é classificada da seguinte forma:

  • Surdocegueira pré-linguística: quando o sujeito nasceu surdocego ou adquiriu a surdocegueira precocemente, antes da aquisição de uma língua;

  • Surdocegueira pós-linguística: indivíduos que ficaram surdocegos após a aquisição de uma língua.

Nesse contexto, o sujeito surdocego apresenta diversas características, entre elas: dificuldade de interação com o meio, por conta da falta de acessibilidade e da dificuldade em perceber o mundo por meio dos demais sentidos; alto grau de perda auditiva e visual, entre outros comprometimentos, como neurológico e motor.

Existem várias formas de comunicação utilizadas pelas pessoas surdocegas, entre elas a Língua de Sinais (Libras), Língua de Sinais tátil, leitura labial, Tadoma, sistemas alfabéticos, como Braille, dactilologia, gestos, desenhos, símbolos, movimentos corporais, entre outras.

Dessa forma, é importante destacar que muitos desses sujeitos não desenvolveram habilidades comunicativas que os possibilitassem construir sua compreensão de mundo, situação que coloca como desafio a constituição de novas formas de comunicação. No caso de crianças surdocegas, estas precisam ser estimuladas desde cedo para obter uma leitura de mundo adequada e uma significativa interação com o ambiente em que vivem, a fim de construir uma forma efetiva de comunicação com o objetivo de interagir socialmente e ter seu aprendizado garantido.

Referência

AGNOL, Anderson Dall; SALTON, Bruna Poletto. STRAPAZZON, Jair Adriano; GOMES, Maria Gabriela J. P. Barboza. O público-alvo da Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. In: SALTON, Bruna P.; SONZA, Andréa P.; STRAPAZZON, Jair A. (org). O uso pedagógico dos recursos de tecnologia assistiva. Porto Alegre: Companhia Rio-grandense de Artes Gráficas, 2015. p. 56-106.

Texto: NAPNE/Reitoria.

Compartilhar Facebook Compartilhar Twitter

Esta notícia foi editada na quarta-feira, 27 de abril de 2016, às 16:23 por Nicole Trevisol.

Últimas notícias: