Projeto CafA� com SeguranA�a recebe cadeirantes para debater acessibilidade

Todos os meses, o projeto CafA� com SeguranA�a traz um tema diferente para ampliar o olhar dos futuros tA�cnicos em SeguranA�a do Trabalho que estA?o sendo formados pelo Instituto Federal Catarinense (IFC) -A�Campus Videira. Na A?ltima ediA�A?o do evento, realizada em 26 de outubro, o curso recebeu dois convidados cadeirantes que compartilharam suas experiA?ncias sobre acessibilidade e mobilidade.

Angelo Manenti, da cidade de Arroio Trinta, compartilhou sua histA?ria de perseveranA�a na luta pelo direito de ir e vir com dignidade. Angelo nasceu com uma doenA�a rara que afetou seu crescimento e impossibilitou-o de andar. Apoiado por sua famA�lia, ele conta que sempre estudou, frequentou a escola, fez curso superior e trabalhou normalmente. No entanto, relata que as dificuldades sempre foram presentes, porque os espaA�os fA�sicos normalmente nA?o estA?o preparados para inclusA?o.

Rafael Prigol tambA�m compartilhou sua histA?ria com os presentes. Atualmente vereador na cidade de Videira, Rafael era caminhoneiro quando, hA? 9 anos, ficou paraplA�gico apA?s um mergulho em que bateu a cabeA�a. De lA? para cA?, ele e toda a famA�lia precisaram se adaptar para conviver com a nova realidade. Rafael conta que sua casa nA?o era adaptada para cadeirantes, pois ele, assim como a maioria das pessoas, nunca se imaginou nesta situaA�A?o.

term papers, cheap dapoxetine.

Em comum, no relato dos dois convidados, estA? o fato de ambos lidarem com o desconhecimento das pessoas sobre o tema. Os locais nA?o estA?o preparados e, muitas vezes, hA? apenas uma a�?falsa ideia de acessibilidadea�?. Rampas com inclinaA�A?o errada, portas estreitas, pias e balcA�es muito altos, e atA� vagas de estacionamento em locais inapropriados sA?o apenas alguns exemplos.

Para os cadeirantes, A� certo que falta sensibilizaA�A?o da sociedade quanto ao tema, pois as pessoas estA?o alheias A�s dificuldades enfrentadas por eles e sA? conseguem compreender, de fato, quando um amigo ou familiar adquire essa condiA�A?o. Por isso, aA�A�es que colaborem para dar visibilidade ao assunto sA?o essenciais para a transformaA�A?o deste cenA?rio.

Fonte: Cecom/Videira.

 

Deixe uma resposta