Brasil – Governo Federal – Ministério da Educação

Projeto de Extensão busca ensinar Matemática, de forma lúdica, para crianças do 5º ano

Considerada por muitos estudantes como um “bicho de sete cabeças”, a Matemática costuma ser citada como área de difícil aprendizado, associada ao uso de fórmulas e regras rígidas. Prova disso são os resultados das avaliações nacionais e internacionais, que inserem o Brasil numa triste estatística: 70% dos estudantes têm conhecimento básico inferior ao nível de proficiência considerado razoável*.

Enfrentar esse problema vem sendo um desafio para professores de todo o país, que a cada ano buscam criar alternativas para o ensino da Matemática, testando diferentes práticas pedagógicas. É isso que propõe o projeto de Extensão, do Instituto Federal Catarinense (IFC) – Campus Videira, denominado “O uso de material concreto no ensino da Matemática em turmas de 5º ano do ensino fundamental”.

O projeto começou a ser desenvolvido em julho de 2017 e tem previsão de conclusão em junho do ano que vem. Até o momento, o projeto foi desenvolvido na Escola de Educação Básica Paulo Fioravante Penso, no município de Videira, com duas turmas do 5º ano do ensino fundamental. Entre julho e outubro, as professoras e bolsistas que integram o projeto foram até a escola aplicar a metodologia de ensino que usa materiais concretos, que são objetos lúdicos utilizados para facilitar a explicação de conceitos considerados muito abstratos para as crianças. Mesmo estando em andamento, já ficou classificado em 2º lugar na respectiva categoria durante Feira de Iniciação Científica e Extensão (FICE) do IFC Videira, em setembro deste ano.

De acordo com a coordenadora do projeto, a professora, da disciplina de Matemática do IFC, Lucilene Dal Medico Baerle, o principal objetivo é identificar qual a relevância do uso de material concreto no ensino da Matemática. “As atividades lúdicas ou com o uso de material concreto objetivam desmistificar a disciplina, considerada por muitos como maçante, difícil, cultivando apenas a memorização. Pretendemos refletir acerca da necessidade destes materiais e verificar qual a efetividade deles no aprendizado”, destaca Lucilene.

A professora explica que as atividades foram desenvolvidas no contraturno escolar. Inicialmente foi trabalhado, a partir do material concreto Base Dez, também conhecido como Material Dourado, as quatro operações fundamentais: adição, subtração, multiplicação e divisão. Dessa forma, os estudantes tiveram a oportunidade de realizar essas operações manipulando e registrando os materiais.

No segundo momento, o tema abordado foi a geometria, e apresentou-se aos alunos alguns sólidos geométricos, quando conheceram suas nomenclaturas e suas características e também reconheceram esses sólidos em materiais reciclados que trouxeram de casa. Posteriormente, montaram os principais sólidos geométricos com papel vergê, sendo que o cubo e o tetraedro foram construídos com massinha de modelar e palitos de picolé.

O projeto também tem sido uma experiência para as estudantes da Licenciatura em Pedagogia do IFC Videira. As alunas Paulina Rodrigues da Silva e Kescy de Paula integram a iniciativa, acompanhadas da professora Cláudia Kuiawinski (Pedagogia). Elas têm a oportunidade de desenvolver aspectos teóricos associados à prática pedagógica, já que os fundamentos da Matemática são parte do componente curricular obrigatório do curso de Pedagogia.

A partir de agora, serão analisados os resultados obtidos até o momento e avaliados os encaminhamentos para o ano seguinte. Os resultados finais do projeto serão apresentados para toda a comunidade interna e externa na próxima FICE, em setembro de 2018.

*Dados do Pisa 2016.
**Texto: Juliana Motta – Cecom/Videira.
***Fotos: Juliana Motta e integrantes do projeto.

Compartilhar Facebook Compartilhar Twitter

Esta notícia foi editada na sexta-feira, 24 de novembro de 2017, às 20:46 pela Coordenação-Geral de Comunicação (Cecom).

Últimas notícias: