Brasil – Governo Federal – Ministério da Educação

Projeto de produção integrada da cebola é reconhecimento pela FAO

imagem-manualO IFC – Campus Rio do Sul faz parte do projeto de produção integrada da cebola, aprovado pela Fapesc, em conjunto com a Estação Experimental de Ituporanga da Epagri. O projeto é reconhecido pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), conforme a Plataforma de Boas Práticas para o Desenvolvimento Sustentável. Confira AQUI.

Recentemente, foram realizadas quatro publicações de livros sobre o assunto. Confira abaixo as séries disponíveis:

Sistema de produção integrada de cebola (Sispic): caderno de campo do técnico
Sistema de produção integrada de cebola (Sispic): caderno de campo do produtor
Sistema de produção integrada de cebola (Sispic): caderno de campo do auditor

Esses cadernos são os critérios de rastreabilidade no sistema produtivo e garantem a certificação do produto. Cabe a cada ator uma responsabilidade: o produtor fará as anotações do sistema produtivo; o técnico fará o que está recomendando; o auditor avaliará se o sistema está sendo produzido dentro das regras de sustentabilidade da cultura.

O pesquisador e professor, do IFC  – Campus Rio do Sul, Leandro Luiz Marcuzzo atuou na organização e como autor nos capítulos: Manejo de doenças Tecnologia de aplicação de agrotóxicos na produção integrada de cebola.

 

Saiba mais sobre a produção integrada

A Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) está focada na adequação de sistemas produtivos para geração de alimentos e outros produtos agropecuários de alta qualidade e seguros, mediante a aplicação de recursos naturais e regulação de mecanismos para a substituição de insumos poluentes, garantindo a sustentabilidade e viabilizando a rastreabilidade da produção agropecuária.

Trata-se de um processo de certificação voluntária, no qual o produtor interessado tem um conjunto de normas técnicas específicas (NTE) a seguir, as quais são auditadas nas propriedades rurais por certificadoras acreditadas pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro).

Ao certificar, os produtores rurais têm o selo no produto com a chancela oficial, do MAPA e do Inmetro, de que seus produtos estão de acordo com práticas sustentáveis de produção e, consequentemente, de que são mais saudáveis para o consumo, garantindo ainda menor impacto ambiental do que produtos convencionais e a valorização da mão de obra rural.

*texto: Cecom/Reitoria.

**Imagem: Divugação/Boas Práticas.

Compartilhar Facebook Compartilhar Twitter

Esta notícia foi editada na terça-feira, 20 de dezembro de 2016, às 18:00 por Nicole Trevisol.

Últimas notícias: