Brasil – Governo Federal – Ministério da Educação

Sistema prevê míldio, doença que afeta o cultivo da cebola

pesquisa-cebola2A região do Alto Vale catarinense é uma das maiores produtoras de cebola do Brasil, representando 30% da produção nacional em 2015. Por lá acontece a Festa da Cebola, fator que demostra a importância da cultura para o local. Observando isso, foi realizada, no Instituto Federal Catarinense (IFC) – Campus Rio do Sul, uma pesquisa que valida um Sistema de Previsão para uma doença que afeta a cultura da cebola. (Acesse o Sistema AQUI).

O pesquisador e servidor do IFC Leandro Luiz Marcuzzo estudou por três anos um sistema de previsão para o míldio (Peronospora destructor) na cultura da cebola. A doença é causada por um fungo e ataca a parte aérea de plantas. De 2014 a 2016, foram medidas as condições climáticas favoráveis à doença, como a temperatura (16 a 18ºC), a umidade relativa (acima de 90%) e a chuva (460 mm, 750 mm e 600mm). “Esses fatores nos deram uma boa correlação das variáveis climáticas com o sistema de previsão”, coloca Marcuzzo.

São significativos os achados da pesquisa: o sistema consegue reduzir entre 30 e 40% o número de pulverizações sem alterar a produtividade. Isso quer dizer redução de custo de produção, menor necessidade de agrotóxico no meio ambiente, menos água para pulverizar a lavoura e sustentabilidade da atividade agrícola.

pesquisa-cebola3“Temos no sistema a possibilidade de gerar economia para o produtor, diminuir o uso desnecessário de poluentes ao meio ambiente, preservar os recursos hídricos e, ainda, agregar valor à produção rural, garantindo condições para que o produtor se mantenha no campo de maneira sustentável”, explica o pesquisador.

O sistema de previsão poderá ser usado por produtores, como assistência técnica, e nas atividades de extensão em lavoura de cebola no estado catarinense. “Queremos, ainda, difundir esse conhecimento no Brasil e para os países do Mercosul”.

Para ser realizado, o projeto contou com o apoio de bolsistas do Pibiti e Pibic do CNPq do Campus Rio do Sul, estudantes colaboradores e servidores. O financiamento foi realizado pelo CNPq (Edital 2013), Fapesc, IFC/Campus Rio do Sul (projeto de iniciação científica) e IFC/Reitoria-Propi (projeto de iniciação científica Pibiti e Pibic/CNPq).

Achados da pesquisa

Redução de custo de produção;

Menos agrotóxico no meio ambiente;

Menos água para pulverizar a lavoura;

Mais valor agregado à produção rural e sustentabilidade.

O Sistema de Previsão

Qualquer cidadão pode ter acesso ao Sistema de Previsão, sendo necessário apenas acesso à Internet. No endereço eletrônico http://ciram.epagri.sc.gov.br/agroconnect/, clique em Atividade Agropecuária, selecione a opção Cebola, e, logo abaixo, o filtro Alerta Fitossanitário vai apresentar automaticamente a leitura para o Míldio. Um modelo matemático associado com os dados climáticos cadastrados no Sistema mostram o risco para a doença em tempo real: pode varia de Sem risco (verde), Risco leve (amarelo), Risco moderado (laranja), risco severo (vermelho), Alerta Precipitação 24 horas >= 25mm (azul) e Estação Sem dados (cinza). É possível, também, realizar a busca no mapa pela cidade de interesse: basta digitar, no canto superior esquerdo, o nome da cidade em Buscar Município.

O aviso do Sistema é emitido diariamente às 6 horas devido às características da doença, à transmissão de dados das estações e aos cálculos do Sistema.

Em SC a cultura se concentra na região, com as estações, nos municípios de: Lontras (2), Aurora, Ituporanga, Petrolândia, Vidal Ramos, Leoberto Leal, Major Gercino, Alfredo Wagner, Rancho Queimado (2), Anitápolis, São Bonifácio, Bom Retiro, Urubici, Rio Rufino, Otacílio Costa, Palmeira, Curitibanos (2), São Cristóvão do Sul, Ponte Alta do Norte, Santa Cecília, Lebon Régis (2), Caçador (2), Água Doce, Rio das Antas (2) Videira, Tangará, Ibiam, Joaçaba, Fraiburgo (2), Monte Carlo, Campos Novos, Brunópolis, Joaçaba, Frei Rogério, Canoinhas, Irineópolis (2), Papanduva, Major Vieira (3), Monte Castelo, Itaiópolis e Mafra (2).

Acompanhe, abaixo, a explicação do pesquisador Leandro Luiz Marcuzzo sobre o Sistema de Previsão para o míldio:

*Texto: Cecom/Reitoria, com informações do pesquisador.

**Imagens e vídeo: Divulgação/Rio do Sul.

Compartilhar Facebook Compartilhar Twitter

Esta notícia foi editada na quarta-feira, 16 de novembro de 2016, às 22:00 por Nicole Trevisol.

Últimas notícias: