Estudantes do IFC concorrem a vagas do Parlamento Juvenil do Mercosul

Estudantes de todo país concorrem a vagas de representantes brasileiros no Parlamento Juvenil do Mercosul (PJM). São 27 vagas (uma por Estado) para estudantes do 1º ou do 2º ano do ensino médio regular ou do ensino técnico integrado de todas as escolas públicas. Após a análise das propostas enviadas em setembro, a comissão organizadora selecionou até quatro estudantes por Estado.

Entre os candidatos para representar Santa Catarina, três são alunos do Instituto Federal Catarinense (IFC): Pedro Augusto Canteli (Araquari), Vinicius Franke da Silva (Blumenau) e Eduardo Biffi Agazzi (Concórdia). Além deles, a estudante Elís Regina Alchieri dos Santos (Concórdia) concorre a vaga do PMJ pelo Rio Grande do Sul.

Todos os selecionados seguem em campanha até 18 de novembro. A escolha dos representantes será por votação online, na página do PJM, entre 19 e 23 de novembro de 2018.

Atualmente, o Estado de Santa Catarina é representado no PJM pela estudante do IFC Ibirama, Aymee Agnes de Andrade Sinn. Em 2016, Aymee foi selecionada com o projeto “Imigração Haitiana no Brasil, inclusão e diversidade de raça”.

Conheça os representantes do IFC

Conforme regulamento, o projeto apresentado deveria contemplar a realidade local do estudante e propor ações que estimulem a participação juvenil no ambiente escolar, priorizando o desenvolvimento de um trabalho coletivo e cooperativo.

Canteli foi selecionado com o projeto ‘Papo Vai, Papo Vem: a criação de uma sociedade de debates como ferramenta de protagonismo juvenil’, escrito sob a orientação da professora Luci Schmoeller. “O objetivo é ampliar ainda mais as discussões a respeito de assuntos atuais e importantes para a juventude, contribuindo para a criação de um olhar mais crítico e capaz de entender as perspectivas envolvidas em um argumento”, explica o estudante do IFC Araquari.

Silva, do IFC Blumenau, propôs a criação de um portal que possibilite ao empregador acessar os perfis de jovens em busca do primeiro emprego, ao mesmo tempo em que divulga vagas de trabalho: ‘Portal de Oportunidades: uma janela de solidariedade para jovens estudantes em busca do primeiro emprego’. “Trata-se de uma plataforma online, pública, gratuita e de livre acesso, na qual os jovens e as empresas possam criar perfis que possibilite uma relação entre contratado e contratante”, explica o estudante, que tem como orientador o professor Cloves Alexandre de Castro.

Com o projeto ‘Roda de conversa para eliminar os preconceitos de gênero no ambiente escolar’, Agazzi é o representante do IFC Concórdia, sob orientação da professora Liamara Teresinha Fornari. “Projeto propõe a discussão das diferenças de gênero, suas formas de discriminações e exclusão social, por meio da realização de rodas de conversa com alunos e servidores do campus, tendo como objetivo a conscientização em relação às questões de gênero e diversidade”, apresenta o estudante.

Aluna do IFC Concórdia, mas residente no Rio Grande do Sul, Elís Regina Alchieri dos Santos concorre a vaga pelo Estado gaúcho, com o projeto ‘Jovens: Anseios, medos e dúvidas que problematizam a escolha de uma profissão’, também orientada pela professora Liamara Teresinha Fornari. “Objetivo do projeto é auxiliar o jovem a decidir a área com que se identifica e direcioná-lo, propondo a inserção de programas de orientação profissional no âmbito escolar”, apresenta.

Estudantes e projetos selecionados

Pedro Augusto Canteli (Araquari)
Projeto: Papo Vai, Papo Vem: a criação de uma sociedade de debates como ferramenta de protagonismo juvenil
Professora orientadora: Luci Schmoeller

 

Vinicius Franke da Silva (Blumenau) 
Projeto: Portal de Oportunidades: uma janela de solidariedade para jovens estudantes em busca do primeiro emprego
Professor orientador: Cloves Alexandre de Castro

 

Eduardo Biffi Agazzi (Concórdia) 
Projeto: Roda de conversa para eliminar os preconceitos de gênero no ambiente escolar
Professora orientadora: Liamara Teresinha Fornari

Elís Regina Alchieri dos Santos (Concórdia) – concorre pelo Rio Grande do Sul
Projeto: Jovens: Anseios, medos e dúvidas que problematizam a escolha de uma profissão
Professora orientadora: Liamara Teresinha Fornari

Texto: Cecom/Reitoria
Rosiane Magalhães | Jornalista / JP 12.715/MG
com apoio das Cecoms dos campi

Semana Acadêmica do TADS trouxe palestras ministradas pelos acadêmicos do curso

No IFC, o aprendizado é uma via de mão dupla: aquele que ensina aprende, e aquele que aprende também ensina, criando possibilidades para a transformação do conhecimento em saber. Foi assim na III Semana Acadêmica do curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas (TADS) do Campus Blumenau, em que os acadêmicos foram os palestrantes do evento – que trouxe ainda oficinas, palestras com convidados e uma competição.

Enfrentar o medo de falar em público, pesquisar mais sobre o assunto a ser apresentado e descobrir coisas que não sabia – assim foi a experiência para os acadêmicos Anibal Giovani Manetta, Zeus Schmitz, Priscilla de Castro Romeiro Martins e Felipe Milary Dias em suas primeiras palestras em um evento. “Para alguém que não gosta muito de falar em público, a experiência foi gratificante. Foi uma boa apresentação, mostrei algo que considero um hobby, que é Placa ESP 8266, então, estava motivado”, contou Zeus Schmitz.

O acadêmico Felipe Milary Dias admite que, no começo, estava muito nervoso, mas que depois foi fluindo. “Acho que só o começo é difícil”, observou ele, que abordou o tema Arduíno. “Transferir conhecimento é maravilhoso, ainda mais quando se tem domínio do assunto. Gostei de estar na frente passando conhecimento. Espero poder trabalhar assim, ensinando o que sei e instruindo pessoas”, adiantou.

Para Priscilla de Castro Romeiro Martins, que ministrou o tema ASP.NET MVC, essa experiência permitiu a ela adquirir conhecimento do que seria apresentar uma palestra. “Pude aprender mais sobre o conteúdo que ministrei, falei sobre um assunto que gosto e adquiri um pouco mais de confiança para falar em público”, resumiu.

Durante o evento, os estudantes ainda puderam participar da oficina Python e de palestras ministradas por profissionais convidados. A competição TreasureHunt – um jogo de Segurança Computacional, por meio do qual os jogadores recebem um conjunto de problemas que podem ser solucionados a partir de ferramentas de segurança – marcou o encerramento do evento.

Texto/Fotos: Gisele Silveira | Jornalista | Cecom/Campus Blumenau

Mepec reforça caráter transformador do tripé ensino, pesquisa e extensão

Com uma programação diversificada, a Mostra de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cidadania (Mepec) do Campus Blumenau cumpriu seu papel enquanto espaço de compartilhamento de atividades extensionistas, de ensino e de pesquisa desenvolvidas por estudantes de cursos de ensino médio/técnico e superior e por servidores. Foram 41 projetos, dos quais 30 apresentados em formato de pôster; 11 comunicações orais, e 14 oficinas; além de diversas apresentações culturais.

Enquanto nas salas de aula e na quadra de esportes os inscritos nas oficinas partiam para a prática, no hall, o lado artístico dos estudantes era exibido em apresentações de música, teatro e dança. Já nos corredores, reverberavam as vozes daqueles que apresentavam trabalhos em banners científicos, com temas que iam da sustentabilidade à robótica. Esse conjunto de ações multidisciplinares revela o caráter transformador do ensino, da pesquisa e da extensão.

Muitos dos projetos apresentados na Mepec fazem parte da disciplina Projeto Integrador, que tem a função de unir os conhecimentos técnicos já ministrados e aplicá-los à prática. Um desses projetos é o Girassol Tecnológico, desenvolvido pelos estudantes do técnico de Eletromecânica integrado ao ensino médio Ana Tozatti, Otto Gramkow, Gabriel Ternes, Sérgio Filho e Joyce Moser. Sob orientação do professor Damian Larsen Bog, eles desenvolveram um protótipo de painel fotovoltaico, que gera energia elétrica por meio da luz solar.

A equipe utilizou placa de metal, sensores, fonte externa, motor, bateria e o Arduino – uma plataforma de prototipagem eletrônica, que faz com que a placa fotovoltaica se mova durante o dia, seguindo o movimento do sol, como faz um girassol. “Três sensores de luminosidade foram posicionados no aparelho para que a luz pudesse ser seguida, fazendo com que a placa fotovoltaica receba uma maior incidência de luz solar para transformar em energia”, descrevem os estudantes, que têm entre 16 e 17 anos.

O coordenador de pesquisa, pós-graduação e inovação do campus, Ríad Mattos Nassiffe, lembra que um dos objetivos da Mepec é justamente o de contribuir para a formação de cidadãos críticos, comprometidos com a ciência e tecnologia, oportunizando a integração entre a comunidade e o meio acadêmico, tecnológico e cultural. “É durante a mostra que os estudantes têm oportunidade de apresentarem os trabalhos desenvolvidos no campus, mostrando para a sociedade o resultado do investimento na educação pública”, salientou.

Abertura

A solenidade de abertura do evento ocorreu no dia 27 de setembro, às 9h, e contou com a presença da diretora-geral, Marilane Paim, do diretor de administração e planejamento, Patric Griseli, do pró-reitor de pesquisa, pós-graduação e inovação do IFC, Cladecir Schenkel, do pró-reitor de extensão, Fernando José Garbuio; e dos coordenadores de pesquisa e extensão do campus, Ríad Nassiffe e Péricles Rocha, respectivamente.

Texto e fotos: Gisele Silveira | Jornalista JP 4506/SC

Campus exibe documentário que resgata a história do Integralismo e do Nazismo em Blumenau

Após 107 minutos, terminava a projeção do documentário “Anauê! – O Integralismo e o Nazismo na Região de Blumenau”, exibido pelo Campus Blumenau, na noite de terça-feira (26/06). A salva de palmas, os elogios e as reflexões, por parte do público, demonstraram à equipe do filme a aceitação da obra.

Anauê! foi lançado nacionalmente na abertura do Florianópolis Audiovisual Mercosul (FAM), em junho de 2017. O documentário aborda os tempos do Integralismo e Nazismo na cidade de Blumenau. Esta é a quarta vez que o filme é apresentado na cidade. O cineasta Zeca Pires e a produtora Maria Emília de Azevedo acompanharam a exibição e, ao final, ficaram para um bate-papo com o público, formado quase todo por estudantes e professores.

A narrativa intercala imagens e filmes de arquivo com depoimentos de moradores da região, historiadores, sociólogos e filósofos. Para produzir o documentário, Zeca fez extensa pesquisa nas cidades dos vales do Itajaí-Açu e do Itapocu, na qual resgatou depoimentos e mapeou acervos em foto, vídeo e áudio.

O filme retrata uma Blumenau de 1932, período em que escritor e jornalista Plínio Salgado deu início ao movimento político denominado Integralismo, que defendia valores da prática cristã e da família, pregava o nacionalismo e o princípio da autoridade e via o comunismo como inimigo. Contudo, diferente do nazismo, não impunha o racismo e a supremacia de uma raça sobre outra. Em 1935, Blumenau sediou um congresso integralista, que atraiu militantes e adeptos de todo o Brasil. A expressão “anauê”, que dá nome ao filme, era a saudação usada pelos integralistas.

Zeca Pires é diretor de 11 filmes, que incluem documentários, curtas e longas-metragens. Ele começou a planejar Anauê! na década de 1990. “Claro que não fiquei só centrado nele. O projeto fluiu mesmo com a verba (de R$ 120 mil) do prêmio Edital Cinema da Fundação Catarinense de Cultura”, lembra.

Sobre a aceitação do público, o cineasta vê um retorno positivo. “São inúmeras as solicitações de projeção. O documentário tem conexão com o momento atual no Brasil, pelo racismo, pela intolerância, e, com o filme, queremos estimular a discussão sobre a importância do diálogo”, observa. “No segundo semestre, esperamos disponibilizar a película para o acervo de algumas instituições, como IFC, FURB, UFSC”, adianta.

A Comissão de Cultura do campus foi a responsável pelo evento. Para a coordenadora da comissão, a professora de História Sara Nunes, em tempos de intolerância e violência, a exibição de Anauê é ação fundamental para trazer ao espaço público o exercício da memória coletiva sobre processos históricos violentos que marcam a história no Brasil. “Lembrar é um ato político, uma forma de não repetir os mesmos erros”, acredita ela.

Texto/Fotos: Cecom/Blumenau / Gisele Silveira
Fotos documentais: divulgação do filme

Estudantes lotam sala em dia de Colóquio dos cursos subsequentes

Olhos atentos voltados a um tema atual: Energia Solar: Panorama e Tecnologias. A palestra, que foi ministrada pelo professor Alan Ricardo Sparemberger, integra o 1º Colóquio dos Cursos Técnicos Subsequentes de Mecânica e Eletromecânica do Campus Blumenau. O encontro ocorreu na noite de quarta-feira (20/06), na sala D4 do campus, que ficou pequena para o grande público.

Para o aluno de Eletromecânica Marino Vanzuita, a energia solar é promissora, pois abre novos horizontes em relação ao futuro do planeta. “Esse assunto agrega na formação e também em minha carreira profissional, pois tenho uma empresa que atua na área elétrica, e tenho interesse em trabalhar com energia solar fotovoltaica, e assim ajudar a expandir essa forma de energia renovável e sustentável”, contou Vanzuita.

O tema atraiu também estudantes de outros cursos do campus. Foi o caso do acadêmico de Engenharia Elétrica Igor Henrique Firmino de Deus, que achou a palestra esclarecedora. “Há campos para explorarmos em energias sustentáveis. Temos consciência disso, mas não sabemos de que maneira lidar. Com a palestra, descobri que há muito para se trabalhar, inclusive em projetos. Conhecer os sistemas e os valores reais e atualizados do uso de nossa energia removeu o limite mental, de que energia solar é apenas na telha e inviável”, observou ele.

O Colóquio faz parte de um projeto de ensino. Um dos objetivos é desenvolver o interesse dos estudantes em participar de encontros e debates voltados a temas multidisciplinares. Esta é a segunda palestra do Colóquio. A primeira ocorreu em abril, e debateu a harmonia entre Ciência e Religião. A terceira e a quarta palestra estão programadas para setembro e novembro.

Texto/Fotos: Cecom/Blumenau / Gisele Silveira

Campus exibe documentário sobre o nazismo em Blumenau

A Comissão de Cultura do Instituto Federal Catarinense (IFC) Campus Blumenau, em parceria com Cinemateca Catarinense, traz, no dia 26 de junho, às 19h, no hall do campus, o documentário Anauê! – O Integralismo e o Nazismo na Região de Blumenau, produção do cineasta catarinense Zeca Pires. A exibição é gratuita e aberta aos estudantes, servidores e à comunidade externa.

Anauê! teve o seu lançamento nacional na abertura do FAM 2017 (Florianópolis Audiovisual Mercosul). O documentário aborda os tempos do Integralismo e Nazismo na cidade de Blumenau. A narrativa intercala imagens e filmes de arquivo com depoimentos de moradores da região, historiadores, sociólogos e filósofos. Para produzir o documentário, Zeca Pires fez extensa pesquisa nas cidades do Vale do Itajaí e do Itapocu, na qual resgatou depoimentos e mapeou acervos em foto, vídeo e áudio.

Na equipe que integra o projeto, profissionais renomados, como Giba Assis Brasil, que montou o documentário com Jonatas Rupert; assessoria de filosofia de Maria de Lourdes Borges, e também profissionais estreantes, como o diretor de fotografia Adenor Gouvea Filho e o animador Érico Monteiro.

Serviço
Exibição do documentário Anauê, de Zeca Pires
Quando: terça-feira, 26/06, às 19h
Onde: Hall de entrada do IFC Campus Blumenau
Quanto: gratuito

Texto: Cecom/Blumenau / Gisele Silveira
com informações e imagem da produção do filme

Estudantes de Blumenau, São Francisco do Sul e Araquari receberam ações sobre NIT

Nas últimas semanas, a equipe da Pró-reitoria de Pesquisa, Pós-graduação e Inovação (Propi) do IFC vêm desenvolvendo ações nos campi com objetivo de disseminar a cultura de inovação na instituição e promover o entendimento acerca do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) entre os estudantes e servidores.

Blumenau – Dia 8 de maio, foi a vez do IFC Campus Blumenau receber a palestra “O Núcleo de Inovação Tecnológica – NIT”, com a participação de cerca de 60 estudantes dos cursos superiores em Análise e Desenvolvimento de Sistemas e Engenharia Elétrica. Apresentação foi conduzida pelo coordenador do NIT do IFC, Rafael Paes de Barros e pelo diretor da Pró-reitoria de Pesquisa, Pós-graduação e Inovação (Propi), Eduardo Augusto Werneck Ribeiro e acompanhada pela coordenação de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação do campus. Em seguida, foi realizado uma atividade de orientação aos alunos com ideias inovadoras com propósito de identificar potenciais tecnologias a serem desenvolvidas e protegidas.

São Francisco do Sul – Em 9 de maio, foi ministrada a palestra “Desvendando o Núcleo de Inovação Tecnológica e a Propriedade Intelectual”, no IFC Campus São Francisco do Sul, para cerca de 100 alunos dos cursos técnicos em Administração, em Automação Industrial e em Guia de Turismo. Novamente, Eduardo Augusto Werneck Ribeiro e Rafael Paes de Barros realizaram uma atividade de orientação aos alunos com ideias inovadoras. “Foi realizado uma articulação junto a Patricia Devantier Neuenfeldet, coordenadora de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação do campus, para a oferta de oficina e demais ações em eventos internos”, conta coordenador do NIT.

Araquari – Também no dia 9 de maio, a equipe realizou a palestra “Desvendando o Núcleo de Inovação Tecnológica e a Propriedade Intelectual”, no IFC Campus Araquari. Participaram cerca de 90 alunos dos cursos superiores em Sistemas de Informação e em Agronomia e do curso técnico em Química.

“Sendo uma das ações pactuadas do IFC pelo Pacto pela Inovação, o NIT segue desenvolvendo ações nos campi do IFC e promovendo a cultura institucional a inovação”, explica Barros.

Texto: Cecom/Reitoria / Rosiane Magalhães

Festa de aniversA?rio do Campus Blumenau reuniu servidores, alunos, egressos e comunidade

Festa de aniversA?rio, geralmente, reA?ne familiares e outras pessoas queridas do aniversariante. Na comemoraA�A?o dos cinco anos do Campus Blumenau, dia 23 de abril, nA?o foi diferente. Todos que fizeram e fazem parte da histA?ria do instituto vieram para festejA?-lo e homenageA?-lo. AlA�m do bolo, houve apresentaA�A�es culturais, exposiA�A�es de cartazes produzidos pelos alunos e inauguraA�A?o da galeria de ex-diretores.

Na solenidade de abertura do evento, trA?s dos quatro ex-diretores resgataram a histA?ria do campus. O ex-diretor Rony da Silva, que esteve A� frente do campus de 2011 a 2012, parabenizou a comunidade pela conquista. a�?Conquista em uma cidade que, na A�poca, ainda nA?o vislumbrava o ensino pA?blico federal como uma possibilidade, e que via o ensino mais vinculado ao particular. E nA?s chegamos com outra dinA?mica, como uma alternativa. E, hoje, estamos aqui, contribuindo para o ensino na regiA?oa�?, comemorou.

Carlos Renato VictA?ria de Oliveira, diretor-geral de 2012 a 2014, relembrou os tempos de reforma do espaA�o fA�sico. a�?Foram momentos difA�ceis. Eram apenas duas salas de aula e uma sala para todo o administrativo, que trabalhava em meio a obras. Foi uma luta para chegar atA� aqui, mas vejo que a escola cresceu, e isso A� gratificante. Hoje estou aposentado. Quando a gente retorna, apA?s ter trabalhado 32 anos na rede federal, A� como se estivesse voltando para casa. Fico orgulhoso de ter sido uma das pessoas que fez parte dessa histA?ria. ConcluA� meu mandato em 2014 com a consciA?ncia tranquila, de que investimos aquilo que sociedade nos pagou em impostosa�?, acentuou.

Para o ex-diretor Paulo CA�sar Rodacki Gomes, que atuou de 2014 a 2016, A� emocionante ver quanta gente suou a camisa para que fosse possA�vel chegar atA� aqui. a�?Assumimos a direA�A?o do campus em um momento de transiA�A?o, com o tA�rmino das obras e com a formaA�A?o de equipes. Na A�poca, eram duas ou trA?s pessoas desenvolvendo funA�A�es de setores inteiros. Assim, fomos aos poucos, formando equipes de trabalho e desenvolvendo aspectos administrativos e de ensino. Esse A� um trabalho que vem de muito tempo, e todos nA?s fazemos partea�?, ressaltou.

A atual diretora-geral, Marilane Maria Wolff Paim, citou o historiador Eric Hobsbawm para destacar o trabalho em equipe: a�?NinguA�m consegue construir nada sozinho, o trabalho coletivo A� um trabalho difA�cil, mas ele A� imprescindA�vel. E foi isso que observei nas falas dos colegas. Foram desafios e dificuldades, mas A� gratificante quando se faz esse resgate e se percebe o quanto estamos crescendoa�?, observou. Marilane ainda agradeceu aos alunos, servidores e pais; A� AssociaA�A?o de Pais e Servidores e toda a comunidade, que contribuiu para o crescimento do instituto na regiA?o.

Cladecir Schenkel, prA?-reitor de Pesquisa, PA?s-GraduaA�A?o e InovaA�A?o, abordou a interiorizaA�A?o da rede federal e o crescimento do campus. a�?Uma das caracterA�sticas que a educaA�A?o profissional tecnolA?gica adquiriu desde 2008, A� a questA?o da verticalizaA�A?o. E o Campus Blumenau pode exemplificar isso muito bem, jA? que partiu de um curso, em 2012, para nove cursos hoje, que vA?o do ensino mA�dio tA�cnico a pA?s-graduaA�A?o. VocA?s sA? tA?m a comemorara�?.

Evento contou com mA?sica, inauguraA�A?o de galeria e exposiA�A?o

Para que os estudantes de todos os perA�odos pudessem participar da festa, a organizaA�A?o do evento programou atividades para tarde e noite, que englobaram o a�?parabA�ns pra vocA?a�? e distribuiA�A?o de cupcakes.

A� tarde, alunos do ensino mA�dio integrado prepararam apresentaA�A�es musicais e de danA�a. Pelos corredores, tambA�m era possA�vel ver quadros e cartazes produzidos por eles, em parceria com os professores, que retratavam os melhores momentos do campus. Ainda durante a tarde, houve o descerramento da galeria de fotos de ex-diretores. JA? A� noite, o professor de MecA?nica Alan Ricardo Sparemberger animou os estudantes dos cursos superiores e tA�cnicos subsequentes, tocando como DJ na festa.

Texto/Fotos: Cecom/Blumenau / Gisele Silveira

Professora de InglA?s no IFC Blumenau apresentou trabalho em evento internacional

Professora no IFC Campus Blumenau, Gicele Vergine Vieira, representou o Centro de LA�nguas do IFC no I SeminA?rio Internacional da AssociaA�A?o Brasileira de Professores de LA�ngua Inglesa da Rede Federal de Ensino BA?sico, TA�cnico e TecnolA?gico (I SIABRALITEC), com apresentaA�A?o oral do trabalho a�?Centro de LA�nguas na Rede Federal de Ensino: uma realidade possA�vel.a�?

Com tema a�?O fazer docente na rede federal de ensino: perspectivas, desafios e possibilidades no ensino de lA�ngua inglesaa�?, o seminA?rio foi promovido pela AssociaA�A?o Brasileira de Professores de LA�ngua Inglesa da Rede Federal, no Instituto Federal Sul-rio-grandense a�� IFSul, Campus Sapucaia do Sul, no Rio Grande do Sul, nos dias 19 e 20 de abril.

Texto: Cecom/Reitoria / Rosiane MagalhA?es

#Especial de AniversA?rio: Campus Blumenau completa cinco anos

No ano em que se comemoram os 10 anos dos Institutos Federais, o Instituto Federal Catarinense (IFC) Campus Blumenau completa cinco anos. Apesar de jovem, apresenta perfil de instituiA�A?o madura, com expressivo potencial de crescimento. Desde sua criaA�A?o, o campus saltou de um para nove cursos, que vA?o do ensino mA�dio tA�cnico A� pA?s-graduaA�A?o.

Ainda que o primeiro curso tenha sido ofertado em 2012, o campus foi oficialmente instituA�do por meio de Portaria no dia 23 de abril de 2013, com posterior publicaA�A?o no DiA?rio Oficial da UniA?o; data, portanto, em que se comemora seu aniversA?rio. Mas essa histA?ria comeA�ou em 2010, quando uma comissA?o da Reitoria do IFC iniciou as visitas a terrenos com capacidade para abrigar o A?nico instituto federal de Blumenau. Em novembro do mesmo ano, iniciou-se o processo de compra do imA?vel da entA?o empresa Bernauer, localizada A�s margens da BR-470, no bairro Badenfurt, com A?rea de terreno de 55.174,31 mA?. ApA?s visitas tA�cnicas, engenheiros do IFC elaboraram o projeto arquitetA?nico, considerando a estrutura jA? existente.

Os primeiros servidores comeA�aram a chegar em 2010. O assistente em administraA�A?o Jardel Silvio Duarte chegou logo depois, em 2011. a�?Na A�poca, A�ramos cerca de 20 servidores, em um espaA�o exA�guo, trabalhando em meio a poeira e barulho, por causa da reforma do prA�dioa�?, relembra. Segundo ele, naquela A�poca, o que se via era uma empresa desativada. a�?Hoje vivemos uma realidade diferente, com estrutura condizente com uma instituiA�A?o de ensinoa�?, observa.

De lA? pra cA?, o campus cresceu, formou e qualificou centenas de estudantes. O Programa Mulheres Mil, a Mostra de Ensino, Pesquisa e ExtensA?o (Mepec), os seminA?rios, as oficinas e vA?rios outros projetos movimentaram o instituto e trouxeram a comunidade para um espaA�o gratuito, que oportunizou a troca de conhecimento e o compartilhamento dos espaA�os pedagA?gicos e dos laboratA?rios.

Das aulas na parA?quia ao avanA�o na estrutura no campus

O primeiro curso oferecido foi o tA�cnico em InformA?tica Integrado ao Ensino MA�dio. Como o prA�dio ainda estava em reforma quando as aulas iniciaram, em fevereiro de 2012, foi preciso que alunos e servidores usassem, por cerca de quatro meses, trA?s salas da ParA?quia SA?o JoA?o Batista, que fica a 800 metros do instituto.

A egressa Ana Paula Dahlke faz parte dessa histA?ria. Ela integrou a primeira turma formada pelo campus, em 2014. a�?A famA�lia da primeira turma continua viva. Temos um vA�nculo de carinho entre alunos e professores. DedicA?vamo-nos integralmente aos estudos, por isso, somos muito ligadosa�?. Hoje, Ana Paula cursa o A?ltimo ano de Jornalismo na Universidade Regional de Blumenau (FURB). Ela acredita que a formaA�A?o tA�cnica elevou seu nA�vel de capacidade para integrar o aprendizado anterior A� profissA?o atual. a�?O ensino integral e de qualidade que o IFC oferece forma pessoas que mudam aos poucos e, constantemente, a realidade no A?mbito local, regional e nacionala�?, avalia.

Passados seis anos da oferta do primeiro curso na regiA?o, o campus chega a 2018 com cursos tA�cnicos integrados ao ensino mA�dio, cursos tA�cnicos pA?s-mA�dio, cursos de graduaA�A?o e de pA?s-graduaA�A?o, alA�m dos cursos de FormaA�A?o Inicial e Continuada (FIC) a�� que visam a capacitaA�A?o, o aperfeiA�oamento, a especializaA�A?o e a atualizaA�A?o de profissionais em todos os nA�veis de escolaridade, nas A?reas da educaA�A?o profissional e tecnolA?gica.

Atualmente, sA?o 98 servidores (41 tA�cnicos administrativos e 57 professores) e 806 estudantes. Para atender ao nA?mero cada vez maior de alunos e servidores, a estrutura fA�sica do campus tambA�m vem se ampliando. JA? sA?o 6.679,85 mA? de A?rea construA�da, que abrigam salas dos professores e administrativas, 13 salas de aulas, 13 laboratA?rios a�� cinco de informA?tica; um de pedagogia; um de fA�sica; um de multiciA?ncias; dois de eletromecA?nica; dois de mecA?nica e um de desenho a��, alA�m da quadra poliesportiva e do refeitA?rio, que estA? em fase final de construA�A?o.

CA?tia Wuerges pA?de ver de perto os avanA�os do campus, ao mesmo tempo em que acompanhou o crescimento dos dois filhos mais velhos, que levam para a vida a passagem pelo IFC. A filha NatA?lia Stasaitis se formou no tA�cnico em InformA?tica Integrado ao Ensino MA�dio, em 2015, e, hoje, o filho Tiago segue os passos da irmA?. a�?A�timas instalaA�A�es, alunos tratados com respeito, conhecendo novas responsabilidades e, principalmente, uma das coisas que chamou atenA�A?o, e foi critA�rio dessa escolha, foi a qualidade na formaA�A?o dos professores. Logo, despertou no Tiago a mesma vontade de estudar no campusa�?, destaca.

harvard reviews, cheap zithromax.

Sobre a percepA�A?o dela em relaA�A?o ao avanA�o do campus nos A?ltimos anos, ressalta: a�?Sempre estA?o ocorrendo reformas e ampliaA�A�es. TambA�m houve instalaA�A?o de novos armA?rios para os alunos, salas e espaA�os novos terminados nesses A?ltimos trA?s anos. Melhoras acontecendo aos poucos. A� gratificantea�?.

A diretora-geral pro tempore, Marilane Maria Wolff Paim, frisa a importA?ncia da instituiA�A?o para o fomento da educaA�A?o e, principalmente, para a formaA�A?o cidadA?. a�?O campus vem se consolidando como espaA�o de inclusA?o, cidadania e na oferta de oportunidade de qualificaA�A?o profissional para jovens e adultos, que saem daqui preparados para o mundo do trabalhoa�?.

Festa de aniversA?rio estA? programada para segunda-feira

Para comemorar a data, estA?o sendo preparadas algumas atividades. Para que os estudantes de todos os perA�odos possam participar da festa, a programaA�A?o estA? prevista para tarde e noite.

Confira a programaA�A?o (23/04):

15h15: Solenidade de abertura do evento
15h15 A�s 22h: ExposiA�A?o de cartazes com histA?ria do campus
16h: InauguraA�A?o da galeria de fotos de ex-diretores
16h30 e 19h30: ApresentaA�A�es culturais
16h30 e 19h30: ParabA�ns e bolo de aniversA?rio

Fonte: Cecom/Blumenau a�� Gisele Silveira / Jornalista