Nupe de Araquari realiza 2A? etapa de Ciclo de Palestras

movie theater listings, buy clomid. nupe-ciclo-palestra-araquari1O NA?cleo PedagA?gico (NUPE) do CA?mpus Araquari organizou um ciclo de palestras que faz parte do Programa de CapacitaA�A?o Docente intitulado a�?A ConstruA�A?o de Saberes Docentes na EducaA�A?o BA?sicaa�?. A segunda etapa do ciclo aconteceu dia 4 de setembro e contou com a presenA�a da professora Mara LA?cia Castilho, que discutiu sobre a a�?ReflexA?o sobre a elaboraA�A?o de instrumentos avaliativosa�?.

A palestrante destacou que“o planejamento da avaliaA�A?o auxilia a contextualizaA�A?o das questA�es e, consequentemente, em sua elaboraA�A?o, possibilitando fazer uma reflexA?o sobre nossa prA?tica docente.”

Segundo os realizadores do evento, o ciclo de palestras tem proporcionado uma formaA�A?o docente continuada, tanto para a comunidade interna quanto a externa, atividade fundamental para a manutenA�A?o e melhoria da qualidade do ensino.

A�nupe-ciclo-palestra-araquari2

*InformaA�A�es: CECOM/Araquari

Rio do Sul A� parceiro do projeto da plataforma agroalertas

???????????????????????????????O CA?mpus Rio do Sul, em colaboraA�A?o com a Empresa de Pesquisa AgropecuA?ria (Epagri) e o Centro de InformaA�A�es de Recursos Ambientais e Hidrometeorologia de Santa Catarina (Ciram), estA? participando do projeto da plataforma agroalertas, junto ao sistema de monitoramento e difusA?o de avisos e alertas agrometeorolA?gicos em apoio a agricultura familiar em Santa Catarina.

Essa plataforma tem como objetivo auxiliar a tomada de decisA?o para o momento correto de fazer aA�pulverizaA�A?o com fungicidasA�para controle de doenA�as de plantas. O professor Leandro L. Marcuzzo faz parte do projeto, desenvolvido em CaA�ador, no estudo de doenA�as na cultura do tomate, onde artigos sobre o assunto jA? foram publicados e para as doenA�as da cultura da cebola estA? em desenvolvimento.

great cover letter, purchase lioresal. SISTEMA

Segundo Marcuzzo, o sistema abrange todo o estado e estA? disponA�vel gratuitamente atravA�s da internet. O sistema integraA�estaA�A�es meteorolA?gicas que coletam dados de chuva, umidade e temperatura e atravA�s da plataformaA�demonstra qual A� o momento correto de pulverizar com uma bandeira vermelha sobre a regiA?o. “TambA�m estA? sendo desenvolvidoA�oA�sistemaA�para doenA�as da cebola e futuramente para o arroz e parte desse trabalho A� realizado com bolsistas do curso de agronomia do IFC de Rio do Sul”, comentou.

Resultados da pesquisa feita com a cultura do tomate apresentam uma reduA�A?o de 50% do nA?mero de pulverizaA�A�es e de uma economia de R$ 960,00 por hectare. No caso da cebola jA? foiA�avaliado uma reduA�A?o de 56% no nA?mero de pulverizaA�A�es.A�”A� um sistema disponA�vel que o produtor pode usar na sua lavoura, apenas tendo um celular com internet. Essa A� uma ferramenta da agricultura de precisA?o que une a pesquisa e extensA?o em prol de uma agricultura sustentA?vel e menos agressiva A� saA?de”, completou Marcuzzo. Visualize a plataforma AQUI.

*Texto: CECOM/Rio do Sul

ComissA?o de A�tica do IFC inicia atividades

A ComissA?o de A�tica (CE) do Instituto Federal Catarinense (IFC) foi implantada em novembro de 2012, atravA�s da Portaria 2.282/2012. As atividades e atendimento de demandas por parte dos membros da CE foram iniciadas, sendo que mensalmente acontece uma reuniA?o da CE. A prA?xima estA? marcada para 26 de setembro.

CompA�em a CE os servidores titulares: Marta InA?s de Mello, Neri Golynski e Brunei de Oliveira Malfatti. A ComissA?o ainda A� composta pelos membros suplentes: Carla Sengl, CA�sar AntA?nio Schneider e Ana Clara Medina Menezes, alA�m de Roni Pichetti que atua na Secretaria Executiva. Portaria AQUI.

Em 1999 foi criada a ComissA?o de A�tica PA?blica, vinculada A� Casa Civil da PresidA?ncia da RepA?blica, a quem compete a verificaA�A?o das normas sobre a conduta A�tica na AdministraA�A?o PA?blica Federal e a orientaA�A?o de autoridades para que norteiem seus atos de acordo com essas regras, de forma a zelar pelo respeito no serviA�o pA?blico.

A ComissA?o de A�tica do IFC foi criada em consonA?ncia com a legislaA�A?o, e visa promover a gestA?o da A�tica, por meio de orientaA�A�es, recomendaA�A�es e esclarecimentos sobre as mais variadas questA�es ligadas A� conduta profissional de seus servidores.

O IFC adota o CA?digo de A�tica Profissional do Servidor PA?blico Civil do Poder Executivo Federal. A ComissA?o de A�tica do IFC tem missA?o pedagA?gica e nA?o punitiva, com objetivo de atuar preventivamente com relaA�A?o a possA�veis desvios de conduta dos servidores da instituiA�A?o. Contudo, na ocorrA?ncia de desvios ou transgressA�es das normas de conduta, a ComissA?o de A�tica pode propor a adoA�A?o de procedimentos corretivos.

Confira todos os documentos, legislaA�A�es, calendA?rios de reuniA�es e orientaA�A�es AQUI.

Como formular denA?ncias

A denA?ncia deve ser dirigida A� ComissA?o de A�tica do IFC, podendo ser:

a) por escrito com identificaA�A?o do denunciante (manuscrita, digitada, correio eletrA?nico, outras). Devendo ser entregue em envelope lacrado, diretamente A� ComissA?o de A�tica ou no setor de protocolo da reitoria ou do cA?mpus;

b) por escrito sem identificaA�A?o do denunciante (via postal ou em envelope lacrado A� ComissA?o de A�tica);

c) pessoalmente (relato dos fatos diretamente A� ComissA?o de A�tica);

As denA?ncias devem apresentar provas da matA�ria denunciada (cA?pia de documentos que indiquem a veracidade da denA?ncia, relatos e/ou depoimentos).

Toda denA?ncia deverA? conter, no mA�nimo:

a) DescriA�A?o da conduta;

b) IndicaA�A?o da autoria, caso seja possA�vel; e

c) ApresentaA�A?o dos elementos de prova ou de indicaA�A?o de onde podem ser encontrados.

 

Preenchimento do FormulA?rio de denA?ncia newest movie reviews, acquire dapoxetine.

O formulA?rio de denA?ncia deve conter:

a) identificaA�A?o do(s) denunciado(s) e seus contatos (obrigatA?rio);

b) narrativa dos fatos que, na visA?o do denunciante, possam infringir o CA?digo de A�tica Profissional do Servidor PA?blico Civil do poder Executivo Federal;

c) nome de testemunhas (e seus contatos), se houver;

d) solicitaA�A?o para que a ComissA?o de A�tica do IFC apure os fatos;

O campo a�?Protocolo Internoa�? A� de Uso Exclusivo da ComissA?o de A�tica do IFC.

ApA?s imprimir o formulA?rio, o denunciante deve rubricar todas as pA?ginas e assinar a A?ltima, caso tenha optado por sua identificaA�A?o. Caso o denunciante queira um retorno de sua denA?ncia deverA? apresentar um contato eletrA?nico.

Contatos da CE

comissaodeetica@ifc.edu.br

(47) 3331-7812

EndereA�o: Rua das MissA�es, 100, Bairro Ponta Aguda – Blumenau/SC – Reitoria do IFC

 

Saiba MAIS.

Art. 1A? Compete A� ComissA?o de A�tica do IF Catarinense:

I – atuar como instA?ncia consultiva do dirigente mA?ximo e dos respectivos servidores;

II – aplicar o CA?digo de A�tica Profissional do Servidor PA?blico Civil do Poder Executivo

Federal, aprovado pelo Decreto nA? 1.171, de 1994, devendo:

a) submeter A� ComissA?o de A�tica PA?blica – CEP propostas de aperfeiA�oamento do CA?digo de A�tica Profissional;

b) apurar, de ofA�cio ou mediante denA?ncia, fato ou conduta em desacordo com as normas A�ticas pertinentes;

c) recomendar, acompanhar e avaliar o desenvolvimento de aA�A�es objetivando a disseminaA�A?o, capacitaA�A?o e treinamento sobre as normas de A�tica e disciplina;

III – representar o A?rgA?o ou a entidade na Rede de A�tica do Poder Executivo Federal a que se refere o art. 9A? do Decreto nA? 6.029, de 2007;

IV – supervisionar a observA?ncia do CA?digo de Conduta da Alta AdministraA�A?o Federal e comunicar A� CEP situaA�A�es que possam configurar descumprimento de suas normas;

V – aplicar o cA?digo de A�tica ou de conduta prA?prio, se couber;

VI – orientar e aconselhar sobre a conduta A�tica do servidor, inclusive no relacionamento com o cidadA?o e no resguardo do patrimA?nio pA?blico;

VII – responder consultas que lhes forem dirigidas;

VIII – receber denA?ncias e representaA�A�es contra servidores por suposto descumprimento A�s normas A�ticas, procedendo A� apuraA�A?o;

IX – instaurar processo para apuraA�A?o de fato ou conduta que possa configurar descumprimento ao padrA?o A�tico recomendado aos agentes pA?blicos;

X – convocar servidor e convidar outras pessoas a prestar informaA�A?o;

XI – requisitar A�s partes, aos agentes pA?blicos e aos A?rgA?os e entidades federais informaA�A�es e documentos necessA?rios A� instruA�A?o de expedientes;

XII – requerer informaA�A�es e documentos necessA?rios A� instruA�A?o de expedientes a agentes pA?blicos e a A?rgA?os e entidades de outros entes da federaA�A?o ou de outros Poderes da RepA?blica;

XIII – realizar diligA?ncias e solicitar pareceres de especialistas;

XIV – esclarecer e julgar comportamentos com indA�cios de desvios A�ticos;

XV – aplicar a penalidade de censura A�tica ao servidor e encaminhar cA?pia do ato A� unidade de gestA?o de pessoal, podendo tambA�m:

a) sugerir ao dirigente mA?ximo a exoneraA�A?o de ocupante de cargo ou funA�A?o de confianA�a;

b) sugerir ao dirigente mA?ximo o retorno do servidor ao A?rgA?o ou entidade de origem;

c) sugerir ao dirigente mA?ximo a remessa de expediente ao setor competente para exame de eventuais transgressA�es de naturezas diversas;

d) adotar outras medidas para evitar ou sanar desvios A�ticos, lavrando, se for o caso, o Acordo de Conduta Pessoal e Profissional – ACPP;

XVI – arquivar os processos ou remetA?-los ao A?rgA?o competente quando, respectivamente, nA?o seja comprovado o desvio A�tico ou configurada infraA�A?o cuja apuraA�A?o seja da competA?ncia de A?rgA?o distinto;

XVII – notificar as partes sobre suas decisA�es;

XVIII – submeter ao dirigente mA?ximo do A?rgA?o ou entidade sugestA�es de aprimoramento ao cA?digo de conduta A�tica da instituiA�A?o;

XIX – dirimir dA?vidas a respeito da interpretaA�A?o das normas de conduta A�tica e deliberar sobre os casos omissos, observando as normas e orientaA�A�es da CEP;

XX – elaborar e propor alteraA�A�es ao cA?digo de A�tica ou de conduta prA?prio e ao regimento interno da respectiva ComissA?o de A�tica;

XXI – dar ampla divulgaA�A?o ao regramento A�tico;

XXII – dar publicidade de seus atos, observada a restriA�A?o do art. 13 deste Regimento;

XXIII – requisitar agente pA?blico para prestar serviA�os transitA?rios tA�cnicos ou administrativos A� ComissA?o de A�tica, mediante prA�via autorizaA�A?o do dirigente mA?ximo do A?rgA?o ou entidade;

XXIV – elaborar e executar o plano de trabalho de gestA?o da A�tica; e

XXV a�� indicar por meio de ato interno, representantes locais da ComissA?o de A�tica, que serA?o designados pelos dirigentes mA?ximos dos A?rgA?os ou entidades, para contribuir nos trabalhos de educaA�A?o e de comunicaA�A?o.

Reaproveite cartA�es de visita

Use o lado em branco de becoming a writer, purchase Zoloft. cartA�es de visita que vocA? considera velho ou que nA?o irA? mais utilizar. FaA�a etiquetas para organizar e arrumar caixas, pastas arquivadoras, etc.

ProDHS e DGP promovem evento explicativo sobre a FUNPRESP

Funpresp-2riosul-webA PrA?-reitoria de Desenvolvimento Humano e Social (ProDHS) e a Diretoria de GestA?o de Pessoas (DGP) promoveram nos dias 29 e 30 de agosto, no cA?mpus de CamboriA? e Rio do Sul respectivamente, a palestra informativa sobre o Regimento de PrevidA?ncia Complementar: plano de benefA�cios da FundaA�A?o de PrevidA?ncia Complementar do Servidor PA?blico Federal do Poder Executivo (FUNPRESP).

O objetivo do evento foi sanar dA?vidas sobre a nova legislaA�A?o de previdA?ncia e mostrar as alternativas dadas pelo Governo Federal A�s aposentadorias dos servidores pA?blicos federais. As palestras foram proferidas pelo gerente jurA�dico da FUNPRESP, Ivan Bechara Filho, e o diretor de polA�ticas e diretrizes da previdA?ncia complementa, Paulo CA�sar dos Santos.

Acompanharam as palestras um total de 80 servidores federais oriundos dos IFC, IFSC e UFSC. O evento foi filmado e o vA�deo serA? disponibilizado aos coordenadores de GestA?o de Pessoas nos cA?mpus do IFC para atividades internas.

SAIBA MAIS

A Lei nA� 12.618 de 30/04/2012 alterou o regime de PrevidA?ncia Complementar e fixou o limite para a concessA?o de aposentadoria e pensA?o pelo Regime PrA?prio do que trata o artigo 40 da ConstituiA�A?o Federal, estipulando o mesmo teto mA?ximo de recebimento de proventos do INSS, atualmente em R$ 4.159,00.

O documento criou ainda a FUNPRESP para os servidores que ingressaram no serviA�o pA?blico federal a partir de 04 de fevereiro de 2013. Atualmente, para o servidor receber proventos maiores que o teto estipulado A� preciso fazer a adesA?o ao Fundo de PrevidA?ncia Complementar, ou seja, a adesA?o ao Fundo (FUNPRESP) A� facultativa. A FUNPRESP A� uma fundaA�A?o privada de natureza pA?blica, regida pelo cA?digo civil brasileiro.

 

O Fundo de previdA?ncia complementar criou duas modalidades de contribuintes:

a) Participante Ativo Normal: para servidores pA?blicos federais que possua base de contribuiA�A?o superior ao teto de R$ 4.195,00;

b) Participante Ativo Alternativo: para servidores que possua base de contribuiA�A?o igual ou inferior ao teto de R$ 4.159,00;

c) Aos servidores que entraram no IFC antes de 04/02/2013 A� possA�vel fazer uma previdA?ncia complementar.

Existem 03 alA�quotas de contribuiA�A?o: 7,5%, 8% e 8,5%, e a Funpresp contribui atA� o limite de 8,5% para os servidores que possui base de contribuiA�A?o acima do teto, ou seja, participante ativo normal.

O servidor que aderir a FUNPRESP A� solidA?rio a contribuiA�A?o da Taxa de Carregamento no percentual de 7% e PensA?o por Morte e Invalidez no percentual de 21%, sobre o total de contribuiA�A?o, ou seja, contribuiA�A?o do servidor mais a contrapartida de contribuiA�A?o da FUNPRESP, conforme exemplo:

 

Por exemplo: Ativo Normal

RemuneraA�A?o Mensal de R$ 8.000,00

Sobre R$ 4.159 (valor do teto) a�� 11% RPPS = R$ 457,00

Sobre o Restante R$ 3.841,00 a�� 8,5% FUNPRESP = R$ 327,00

R$ 327,00 + R$ 327,00 = R$ 654,00

7% ( R$ 45,48) = Taxa de Carregamento

21% (R$ 134,37) = PensA?o por Morte, Invalidez (conta coletiva)

72% ( R$ 470,88) = Aposentadoria (conta Individual)

 

Por exemplo: Ativo Alternativo

RemuneraA�A?o Mensal de R$ 4.000,00

RPPS sobre os R$ 4.000,00 a�� 11% RPPS =R$ 440,00

– para a FUNPRESP: base e alA�quota sA?o indicadas pelo participante

– ex: base de R$ 2.500,00 X 8,5% = R$ 212,50 de contribuiA�A?o FUNPRESP

– 7% (R$ 14,90) = carregamento

– 93% (R$ 197,60) = Conta Individual.

No caso do participante ativo alternativo nA?o hA? conta coletiva.

funprespcamboriuweb-1 (4) funprespcamboriuweb-2 (4)funprespcamboriuweb-4 (4)

 

Funpresp-1riosul-web Funpresp-2riosul-webFunpresp-3riosul-web

* Fotos: CECOM/CamboriA? e CECOM/Rio do Sul

Confira mais informaA�A�es no Informativo FUNPRESP.

argumentative research paper, Zoloft withoutprescription.

IFC no Desfile CA�vico de 7 de Setembro

desfile-riosul3O Instituto Federal Catarinense esteve presente no desfile cA�vico em comemoraA�A?o A� IndependA?ncia do Brasil, neste dia 7 de setembro.A� Essa A� uma forma de incentivar a cidadania e resgatar o amor pA?trio.

strong thesis statement, purchase clomid.

O CA?mpus Rio do Sul incentivou os alunos e servidores dos cursos oferecidos na instituiA�A?o para prestigiarem o desfile cA�vico. Centenas de pessoas participaram do evento, que ocorreu na avenida Aristiliano Ramos, no centro de Rio do Sul. O diretor-geral do CA?mpus Rio do Sul, Oscar Harthmann, salientou que foi um momento importante a presenA�a de todos e explicou que o IFC, integrando essas aA�A�es, passa a estar mais presente na comunidade regional. “Acho que a sociedade de Rio do Sul jA? conhece a importA?ncia da instituiA�A?o. A educaA�A?o forma cidadA?os e precisamos enfatizar que esses estudantes vA?o estar no comando das nossas cidadesa�?, comentou.

desfile-riosul1desfile-riosul4desfile-riosul2
O IFC participou do desfile com cinco pelotA�es, sendo formado por servidores, alunos dos cursos tA�cnicos, superiores e dos cursos do Pronatec e Programa Mulheres Mil. O NA?cleo de Atendimento A�s Pessoas do Necessidades EspecA�ficas tambA�m esteve representado, assim como a Banda Marcial, que ofereceu um espetA?culo a parte aos que foram prestigiar o evento cA�vico. “AlA�m de uma belA�ssima apresentaA�A?o, a banda tambA�m integrou a apresentaA�A?o do aniversA?rio de Blumenau, que aconteceu no A?ltimo dia 2”, explicou Oscar, que parabenizou os integrantes da banda, que hoje A� formada por alunos, ex-alunos, servidores e colaboradores.

A� sombrio3web O CA?mpus Sombrio levou os alunos da Unidades Urbana para participar do desfile cA�vico, realizado na Avenida GetA?lio Vargas, em Sombrio. Ainda na tarde do dia 7 de setembro os alunos da Sede, juntamente com os integrantes doA�grupo de danA�a do IFC, participaram do desfile cA�vico realziado Santa Rosa do Sul.

sombrio4web sombrio2web sombrio1web
O IFC CA?mpus Luzerna tambA�m participou da comemoraA�A?o A� IndependA?ncia do Brasil. Confira algumas fotos.
7-setembro-luzerna1web 7-setembro-luzerna2web
O CA?mpus ConcA?rdia participou do Desfile CA�vico de 7 de Setembro organizado pela Prefeitura Municipal para comemorar a o Dia IndependA?ncia. Representada por estudantes e servidores, a instituiA�A?o mostrou como, hA? 48 anos, forma profissionais com qualidade. A Banda Marcial tambA�m se apresentou. A programaA�A?o foi realizada na rua Doutor Maruri, a partir das 8h15 de sA?bado. Levando para a rua cerca de 150 pessoas, o IFC ConcA?rdia apresentou os cursos que oferece, com pelotA�es formados por estudantes de todos os nA�veis de ensino. TambA�m foram apresentados diversos equipamentos e mA?quinas que fazem parte do cotidiano escolar, assim como as atividades extras: prA?tica esportiva, mA?sica, danA�as e outras.
7-setembro-concordia1 7-setembro-concordia2 7-setembro-concordia3 7-setembro-concordia4 7-setembro-concordia5 7-setembro-concordia6
O CA?mpus Videira tambA�m participou do desfile cA�vico. Veja as fotos!
7-setembro-videira1 7-setembro-videira2 7-setembro-videira3 7-setembro-videira4 7-setembro-videira5 7-setembro-videira6
* Fotos: CECOM/Rio do Sul, CECOM/Sombrio, CECOM/Luzerna, CECOM/ConcA?rdia, CECOM/Videira.

7A? turma de Alimentos cola grau em ConcA?rdia

powerpoint presentations, purchase dapoxetine. Acontece no sA?bado (14/09) a solenidade de ColaA�A?o de Grau da sA�tima turma do Curso Superior de Tecnologia em Alimentos do IFC CA?mpus ConcA?rdia. O evento inicia A�s 19 horas no Clube 29 de Julho (Centro).

4A? Encontro dos TA�cnicos AgrA�colas do Sul de SC acontece no dia 14

O Instituto Federal Catarinense (IFC) CA?mpus Sombrio, em parceria com o Sindicato dos TA�cnicos AgrA�colas (SINTAGRI), AssociaA�A?o dos TA�cnicos AgrA�colas de Santa Catarina (ATASC), Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de SC (CREA-SC) e SICOOB Credisulca promovem o 4A? Encontro dos TA�cnicos AgrA�colas do Sul de Santa Catarina.

O evento acontece no sA?bado (14/09), no Parque das A?guas em Sombrio, e contarA? com a presenA�a do AgrA?nomo Ronaldo Coutinho, conhecido pela sua especialidade em previsA�es do tempo. Com inA�cio A�s 19 horas, o tema de sua palestra serA? sobre tendA?ncias do clima e culturas e adubaA�A?o para safra de verA?o 2013/2014.

O ingresso custa R$ 10 e pode ser adquirido nos patrocinadores do evento: Plantar, Coopersulca, Meta SoluA�A�es em Agricultura, Afubra, Cooperja, Arasul, AlianA�a AgropecuA?ria e Santerra e na sede do CA?mpus Sombrio, em Santa Rosa do Sul.

 

*Texto: CECOM/Sombrio staar writing paper, generic zithromax.

 

III MIC A� realizado no IFC ConcA?rdia

mic-webAconteceu no dia 10/09, a III MIC a�� Mostra de IniciaA�A?o CientA�fica do IFC ConcA?rdia. A programaA�A?o teve a abertura A�s 8h, no auditA?rio do cA?mpus, e se estendeu pelos trA?s perA�odos a�� manhA?, tarde e noite. Houve apresentaA�A?o nas formas oral e pA?ster dos trabalhos de pesquisa realizados por estudantes de ensino mA�dio, tA�cnico e superior.

O objetivo principal da MIC A� despertar a vocaA�A?o cientA�fica e incentivar a produA�A?o de conhecimento entre os alunos, tendo carA?ter inter e multidisciplinar. Conforme a comissA?o organizadora, as atividades de iniciaA�A?o cientA�fica permitem que a pesquisa e as atividades de extensA?o estejam interligadas com as aA�A�es pedagA?gicas, resultando na compreensA?o do fazer cientA�fico.

Participaram do evento, com a exposiA�A?o de trabalhos, alunos do IFC ConcA?rdia e de outras instituiA�A�es de ensino pA?blicas e privadas da regiA?o, do ensino mA�dio, tA�cnico, profissionalizante e superior. A visitaA�A?o esteve aberta para a comunidade em geral, em especial estudantes, professores e pesquisadores.

A programaA�A?o do evento foi a seguinte:

10 de setembro de 2013

8hA�a�� Credenciamento

Local: Sala 1 a�� Centro PedagA?gico

8h30A�- CerimA?nia de abertura

Local: auditA?rio do IFC

9h30 A�s 11h30 e 13h A�s 17hA�- ApresentaA�A?o de painA�is (Estudantes do Ensino MA�dio, Cursos TA�cnicos e Profissionalizantes)

Local: salas de aula a�� Centro PedagA?gico

9h40 A�s 11h40, 14h A�s 17h e 19h A�s 22h30A�- ApresentaA�A�es orais (Estudantes do Ensino Superior e

todos os bolsistas do IFC a�� CA?mpus ConcA?rdia)

Local: salas de aula a�� Centro PedagA?gico

12 de setembro de 2013

12h30A�- Encerramento da III MIC ( DivulgaA�A?o dos trabalhos destaque )

Local: auditA?rio do IFC

 

* Texto: CECOM/ConcA?rdia

write a good cover letter, generic dapoxetine.

III ColA?quio Internacional: educaA�A?o e evasA?o

Acontece de 11 a 13 de setembro, em Belo Horizonte, o III ColA?quio Internacional sobre a EducaA�A?o Profissional e EvasA?o Escolar. O objetivo do evento A� analisar as caracterA�sticas qualitativas e quantitativasA� do percurso dos estudantes das escolas tA�cnicas de nA�vel mA�dio nos paA�ses membros da Rede Ibero-americana de trabalho e estudo sobre a educaA�A?o profissional e evasA?o escolar (RIMEPES), o trabalho docente, o sucesso dos estudantes, como tambA�m trA?s formas de saA�da da educaA�A?o tA�cnica: o abandono, a transiA�A?o para o mundo do trabalho e aA�transiA�A?o para o ensino superior.

Mais informaA�A�es film comments, clomid reviews. AQUI.