Brasil – Governo Federal – Ministério da Educação

Feiras de matemática estão no DNA do IFC

img_0671Equações, teorias e muitos números se misturavam com cores e formas dos mais variados tipos criados exclusivamente para decorar os estandes que serviu de lugar para expor atividades de pesquisa durante a XXXII Feira Catarinense de Matemática. Esse ano, o evento aconteceu na cidade de Timbó (SC) nos dias 26, 27 e 28 de outubro.

Ao todo foram expostos 165 trabalhos, vindos de 53 municípios catarinenses, selecionados por Comissões de Avaliação de sete Feiras Municipais e 16 Feiras Regionais de Matemática, realizadas este ano em Santa Catarina com a finalidade de socializar pesquisas e resultados. Passaram pelo local 3.000 visitantes, além de 330 estudantes expositores e 230 professores que também atuaram na orientação e avaliação de trabalhos.

Milene e Giulia, estudantes do IFC.

Milene e Giulia, estudantes do IFC.

Milene Karine Gubetti e Giulia Denise Vieira, ambas de 16 anos, foram duas estudantes desse universo de expositores. As alunas do curso técnico Integrado em Informática do Instituto Federal Catarinense (IFC) – Campus Blumenau trouxeram para a Feira um projeto de extensão desenvolvido em três meses: Interpolação linear e bilinear – aplicação em transformações geométricas de imagens.

“Resolvemos aplicar a matemática em algo que pudesse nos ajudar a desenvolver um software na disciplina de programação. Ficamos felizes porque a realidade ao criar um projeto é diferente do dia a dia da sala de aula. Conseguimos dar vida à matemática, e isso foi muito gratificante”, afirmam as estudantes.

Para a reitora do IFC, Sônia Fernandes, ao estarem nas Feiras de Matemática, os alunos se apropriam do conhecimento e relacionam a matemática com a vida. “Ainda, conhecem outros estudantes, outros projetos e outros locais. A formação integral parte da ideia do sujeito ser protagonista da construção do conhecimento e, por meio das Feiras de Matemática, conseguimos fomentar essa formação”, frisa ela.

Willian e Jean, estudantes do IFC.

Willian e Jean, estudantes do IFC.

As Feiras de Matemática integram Ensino, Pesquisa e Extensão e, além do ensino superior, trazendo estudantes do ensino fundamental e médio como também alunos que atuam em programas como o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid). É a experiência que os estudantes Jean Carlos Teixeira e Willian da Silva, do curso de Licenciatura em Matemática do IFC Campus Sombrio, trouxeram para a Feira de Matemática. Willian é bolsista do Pibid e, durante as atividades com professores da região, desenvolveu junto com Jean a atividade Relato de experiência da oficina Sistema de Medidas e Geometria Plana e Espacial.

“Foram 25 professores que passaram pela oficina que abordou maneiras fáceis e interativas de ensinar matemática aos estudantes. Acredito que os alunos veem a matemática como chata porque não a conhecem. Com a oficina queremos transformar a matemática em uma disciplina legal, em que é possível aprender brincando”, relatam os futuros professores de matemática.

Foi a maneira com que a professora de matemática conduziu o aprendizado de Araceli Gonçalves, hoje professora de Matemática no IFC – Campus Ibirama, que fez com que ela se apaixonasse pela disciplina. “Participei de várias Feiras de Matemática como aluna e lembro de todos os trabalhos que apresentei. A minha primeira feira foi aos 11 anos, eu estava na 5ª série”, conta ela, entusiasmada com as lembranças.

Araceli Gonçalves

Araceli Gonçalves

“Sou muito grata pela maneira como a professora nos ensinou matemática. Ao participar das feiras vivemos aventuras, desde o fato de ficar no alojamento, fazer novos amigos, até o fato de trabalhar na vivência da sua cidade o universo da matemática”, diz a professora natural de Atalanta que usava o rio da cidade para aprender.

As Feiras de Matemática já fazem parte da identidade do IFC. A participação da instituição nas feiras é a continuidade de uma ação que nasceu no Campus Rio do Sul e que foi ampliada a partir de 2012 com a assinatura do Termo de Cooperação Técnica com a Furb. “Assim, o IFC amplia o debate e construção em torno do ensino da matemática e aprofunda, com outras instituições, o espaço para integrar as redes públicas”, coloca a reitora do IFC.

Segundo Araceli é preciso mudar a visão que os alunos têm da disciplina. “O professor precisa ter o diálogo aberto e trazer para a realidade do aluno a atividade de matemática. Uma aula mais livre ajuda para que o aluno entenda que pode aprender e, com isso, se dedique mais à disciplina”, finaliza ela.

A premiação dos trabalhos apresentados durante a Feira de Matemática aconteceu no dia 28/10. Dos sete trabalhos apresentados pelo IFC todos foram premiados. Confira abaixo.

Título do Trabalho

Campus

Premiação

OUTUBRO ROSA E FRACTAIS: QUAL A RELAÇÃO?

Blumenau

Destaque/Indicação

QUANTO PESA ESTE COMPRIMENTO?

Blumenau

Destaque

INTERPOLAÇÃO LINEAR E BILINEAR: APLICAÇÃO EM TRANSFORMAÇÕES GEOMÉTRICAS DE IMAGENS

Blumenau

Menção Honrosa

A MATEMÁTICA COMO SOLUÇÃO PARA MAXIMIZAR A UTILIZAÇÃO DE TECIDOS

Ibirama

Destaque

RELATO DE EXPERIÊNCIA DA OFICINA: SISTEMA DE MEDIDAS E GEOMETRIA PLANA E ESPACIAL

Sombrio

Menção Honrosa

MATERIAIS MANIPULATIVOS E HISTÓRIA DA MATEMÁTICA APLICADA AO ENSINO DO SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL

Sombrio

Menção Honrosa

OPERAÇÕES FUNDAMENTAIS NAS SÉRIES INICIAIS

Sombrio

Menção Honrosa

Saiba mais sobre as Feiras de Matemática em http://www.furb.br/web/3335/feiras-de-matematica/feiras-de-matematica

*Texto e fotos: Cecom/Reitoria.

Compartilhar Facebook Compartilhar Twitter

Esta notícia foi editada na quinta-feira, 3 de novembro de 2016, às 18:50 pela Coordenação-Geral de Comunicação (Cecom).

Últimas notícias: