Estudantes do IFC Araquari conquistam troféu na Jornada Brasileira de Foguetes

Temos dois viajantes espaciais estudando no Instituto Federal Catarinense Campus Araquari… ou “quase” isso. Estamos falando dos dois projetistas, com ótimos resultados em seu foguete experimental, da 12ª Mostra Brasileira de Foguetes (MOBFOG), que aconteceu entre as atividades de Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA).

A MOBFOG foi realizada entre os dias 22 e 26 de outubro de 2018, na cidade de Barra do Piraí, no estado do Rio de Janeiro. De acordo com a dinâmica do evento, todas as equipes classificadas são divididas em cinco diferentes turmas, com a participação de estudantes desde o primeiro ano do ensino fundamental e até o último ano do ensino médio, tanto de escolas públicas quanto de instituições privadas, distribuídos em quatro níveis distintos.

No último ano, foram mais de 94 mil inscritos para a Mostra. Seguindo a mesma tendência em 2018, com esta grande quantidade de concorrentes, os alunos Brenon Paul e João Pedro Aguiar da Conceição, do curso Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio, conquistaram o vice-campeonato brasileiro em sua categoria, com um foguete construído com uma base de canos de PVC.

Apenas os foguetes que atingiram mais de 100 metros foram convidados para o evento no Rio de Janeiro, do qual participaram outras 45 equipes na turma em que os estudantes do IFC Araquari estiveram. Na Mostra aconteceram os lançamentos de foguetes, sendo verificados os melhores e como as equipes fizeram para obter aquele resultado. Durante os quatro dias de evento, todas as equipes apresentam sua base e estrutura do foguete, análise da reação química  que usaram, entre outras particularidades.

A construção e o lançamento do foguete

A Mostra Brasileira de Foguetes (MOBFOG) é uma olimpíada experimental que consiste em construir e lançar foguetes, a partir de uma base de lançamento, o mais distante possível – com a metragem contada horizontalmente. O melhor lançamento do foguete de Brenon e João, durante o evento, alcançou 119,70 metros.

A construção do foguete dos estudantes teve uma base de canos PVC. Eram misturados água e bicarbonato de sódio, e, então, colocados na base; já no foguete – construído a partir do estudo de aerodinâmica dos próprios alunos, era colocado vinagre. Brenon e João criaram um sistema em que a reação realizada pela água e o bicarbonato, complementada pelo vinagre, só acontecia depois que a base fosse agitada. A partir disso, a pressão era monitorada por um manômetro, até o momento certo para serem lançados.

“Para nos prepararmos para o evento, realizamos teste e mais testes, sempre corrigindo os defeitos ou melhorando o que podia ser melhorado”, relata Brenon, que iniciou em 2017 no IFC Araquari e sempre teve interesse por áreas como Astronomia e Física. Depois de meses de trabalho e um excelente resultado, o aluno mantém-se otimista e motivado: “Neste ano ficamos como vice-campeões da MOBFOG, porém pretendemos retornar no próximo ano e ganhar a medalha de campeão, pois queremos sempre melhorar e dar orgulho ao nosso colégio”.

A experiência dos estudantes

O orgulho, que já voa alto, é compartilhado com a antiga professora de Física, Taline Kruger, que apresentou o evento aos alunos. Porém, o grande apoiador e orientador deste projeto foi o professor Emerson Luiz Lapolli, hoje docente no IFC Campus Abelardo Luz, que organizou e participou de todo o processo, tanto de construção como da apresentação do foguete.

Desde que a antiga professora falou sobre o evento, os alunos se empenharam em estudos e pesquisas sobre foguetes e toda a área da astronáutica. “Achamos que representar o IFC Araquari, em uma competição de nível nacional, seria uma oportunidade irrecusável. De fato, o desafio e a dificuldade envolvidos nos estimularam a buscar o conhecimento”, contou Brenon.

O estudante reflete que eventos como este são espaços para mostrar que as instituições de ensino estão dando bons frutos e extrapolando os muros da escola, do estado e, quem sabe, futuramente, do país. Brenon e João ainda comentam que “esta premiação representa que o IFC Araquari pode ganhar espaço no cenário nacional, pois existem alunos que só esperam oportunidades como essa para poder demonstrar todo o seu potencial. Para nós mesmos, foi um incentivo para toda a vida, pois vimos que nosso estudo foi recompensado, deu-nos algo concreto e um novo fôlego na vida acadêmica”.

O evento contou com grandes nomes da astronáutica e astronomia em palestras e minicursos. Os participantes da mostra foram estimulados e ambientados ao mundo da astronáutica, ampliando a visão de toda a área da física e mergulhando de cabeça em um mundo que, para Brenon, “antes parecia muito distante”.

A todos que se sentirem inspirados pela história dos estudantes Brenon e João, mais informações sobre a Mostra Brasileira de Foguetes estão disponíveis no site: http://www.oba.org.br/site/


Texto: CECOM/Araquari – Raquel Rybandt
Imagens: CECOM/Araquari e Divulgação

GPTER visita Laboratório de Biomecânica da UFSC

No dia 22 de outubro,  o Grupo de Pesquisa em Tecnologia, Esporte e Reabilitação (GPTER), ligado à Fábrica de Software do IFC Araquari, visitou o Laboratório de Biomecânica (Biomec) do Centro de Desportos da Universidade Federal de Santa Catarina. O GPTER possui uma relação de parceria com o laboratório para o desenvolvimento de pesquisas.

Durante a visita, foram feitas demonstrações dos equipamentos mais utilizados no laboratório para análise do movimento humano, como o sistema de cinemetria 3D e a plataforma de forças, com os quais os estudantes bolsistas puderam interagir (conforme imagens abaixo).

O GPTER (dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/1334867012779659) tem interesse em desenvolver soluções tecnológicas no âmbito esportivo e da reabilitação, a fim de atingir tanto os pesquisadores destas áreas quanto atletas e treinadores.

As linhas de pesquisa com que o grupo do IFC Araquari trabalha são:
  • Soluções tecnológicas voltadas ao desempenho esportivo; e
  • Tecnologia Assistiva em Paradesporto e Reabilitação.

O grupo é formado pelos servidores Jonathan Ache Dias (Líder), Joelmir José Lopes (Líder) e Nilton dos Santos Neto, além de dois alunos do Bacharelado em Sistemas de Informação – BSI.

Após a visita ao laboratório, os bolsistas do grupo, Gustavo Pires (Bolsa Interna do Campus) e Gabriel Silveira (Bolsa PIBITI-CNPQ), apresentaram seus projetos aos integrantes do Biomec. Os projetos apresentados pelos estudantes foram: “Desenvolvimento de um novo aplicativo android para avaliação do salto vertical” e “Raspbody: um protótipo de sistema para análise cinemática do movimento humano utilizando Raspberry Pi e câmeras de infravermelho”.

Após estas apresentações, o professor Jonathan ministrou, como docente convidado, a aula “Instrumentação e análise cinética para biomecânica“, durante a disciplina de Biomecânica, assistida por mestrandos e doutorandos do Programa de Pós-Graduação em Educação Física (PPGEF).

Texto e fotos: GPTER/Araquari – Jonathan Ache Dias

Cinco estudantes de Araquari apresentam trabalhos em encontro internacional na Colômbia

Cinco representantes do Instituto Federal Catarinense – Campus Araquari estiveram, entre os dias 23 e 26 de outubro de 2018, no Latin American & Caribbean Aquaculture 2018 (LACQUA 18), em Bogotá, na Colômbia. Os estudantes tiveram seus trabalhos selecionados para apresentação durante este que é o maior evento da América Latina, organizado pela World Aquaculture Society (WAS). Para esta edição, o evento teve como mote “A aquicultura para a construção de redes de paz”.

Os estudantes que participaram do encontro latino americano foram:

Andressa Vieira de Moraes – 1º semestre do Mestrado em Produção e Sanidade Animal;
Julio C. B. Rodhermel – 6º semestre do Bacharelado em Medicina Veterinária;
Laura Rafaela da Silva – 6º semestre do Bacharelado em Medicina Veterinária;
Marina de Oliveira Pereira – 10º semestre do Bacharelado em Medicina Veterinária;
Pedro Henrique Ferro – 8º semestre do Bacharelado em Medicina Veterinária.

Estes médicos e futuros médicos veterinários foram ao LACQUA representando o Laboratório de Aquicultura do IFC Araquari, bem como seus colegas que também colaboraram para a construção dos trabalhos. Quatro dos projetos contemplados para apresentação foram orientados pelo professor Adolfo Jatobá e a quinta pesquisa pelo professor Delano Dias Schleder.

Todas as apresentações orais foram elaboradas pelos alunos, sendo quatro delas feitas em língua portuguesa, e a apresentação do estudante Júlio Rodhermel, em língua inglesa. Por ser um evento em nível mundial, mas dentro da América Latina, os participantes puderam escolher entre espanhol, português ou inglês. Júlio optou pelo inglês devido à universalidade do idioma, compreendido por grande número de participantes e tão utilizado por pesquisadores no mundo todo.

Segundo o estudante Pedro Ferro, “Fazer pesquisa na graduação auxilia a nós, estudantes, para sairmos da zona de conforto e buscar novas soluções para os problemas dos sistemas de produção atuais, contribuindo grandemente para nossa formação pessoal e profissional.” Este foi o primeiro evento internacional de que o estudante participou. Ele o descreveu como uma experiência incrível, que serviu como estímulo para se empenhar e mostrar mais do IFC, a instituição que lhe acolheu.

O Laboratório de Aquicultura já possui a tradição de orientar estudantes de modo a fazê-los evoluir em suas carreiras acadêmicas em eventos como o próprio LACQUA 2016, outros eventos da WAS e do Alltech Young Scientists, por exemplo. Além das carteiras universitárias, incentiva-se também a busca por um mercado de trabalho em constante expansão, como explicou o graduando Pedro: “No LACQUA tivemos oportunidade de entrar em contato com empresas e também produtores. Ficou nítida a importância do médico veterinário, e que se trata de uma área um pouco carente desses profissionais, por serem poucos médicos veterinários a se especializarem em aquicultura”.

Aliando carreiras acadêmicas e profissionais, as pesquisas apresentadas durante o LACQUA 2018, pelos representes do IFC Araquari, foram:

  • Andressa Vieira de Moraes, Marina de Oliveira Pereira, Júlio Rodhermel, Carlos Kneipp, Claudio César Ramos, Adolfo Jatobá: SUPLEMENTAÇÃO DIETÉTICA DE  BACILLUS SUBTILIS E B. AMYLOLIQUEFACIENS NA CRIAÇÃO DE ALEVINOS DE TILÁPIA-DO-NILO Oreochronis niloticus
  • Julio Cesar Bailer Rodhermel, Marina de O. Pereira, Andressa V. de Moraes, Luciano Alves, Amanda Chaaban, Adolfo Jatobá: AVALIAÇÕES IMUNOLÓGICAS, ÍNDICES ZOOTÉCNICOS E HEPATOSSOMÁTICOS EM Oreochromis niloticus SUPLEMENTADOS COM DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE HIDROLATO DE Curcuma longa
  • Laura Silva, Julio C. B. Rodhermel, Marina de O. Pereira, Andressa V. de Moraes, Jaqueline I. A. de Andrade, Amanda Chaaban, Adolfo Jatobá: AVALIAÇÃO DE DIFERENTES TEMPOS  E DOSES DE HIDROLATO DE Mentha villosa COMO AGENTE ANTIPARASITÁRIO PARA TILÁPIA DO NILO
  • Marina O. PereiraJulio C. Rodhermel, Andressa V. Moraes, Laura R. Silva, Adolfo Jatobá: SUPLEMENTAÇÃO DIETÁRIA DE HIDROLATO DE  Curcuma longa SOBRE HEMATOLOGIA E SOBREVIVÊNCIA DE  Oreochromis niloticus
  • Pedro Henrique Sousa Ferro, Rafael de Souza Pacheco, Fabiana Moreira, Delano Dias Schleder, Marina De Oliveira Pereira: IMUNOMARCAÇÃO DE LEPTINA E IGF-1 EM ÁCINOS HEPÁTICOS DE TILÁPIAS-DO-NILO Oreochromis niloticus  ALIMENTADAS COM Lactobacillus plantarum

Estes trabalhos representam apenas alguns daqueles que são desenvolvidos no Campus Araquari, que contemplam desde estudantes do Ensino Técnico Integrado ao Ensino Médio, passando pela graduação, especialização e chegando até os mestrandos da instituição. A formação verticalizada do ensino, fomentando a pesquisa, é um pontos fortes do Laboratório de Aquicultura em Araquari.

Conheça o Latin American & Caribbean Aquaculture 2018

O LACQUA 2018 aconteceu juntamente ao VIII Congresso Colombiano de Aquicultura, no Ágora International Convention Center, entre os dias 23 e 26 de outubro de 2018. O evento possui programas acadêmicos em diferentes áreas da aquicultura e uma exposição comercial com empresas nacionais e internacionais, especializadas na comercialização de insumos e serviços para o setor de aquicultura.

Durante o congresso, aconteceram sessões especiais, dentre as quais se destacam: Avanços na produção intensiva de tilápia na América do Sul – Genética, mercado, vacinas e vacinas; Protease em alimentos para animais aquáticos: uma solução para melhor economia e meio ambiente; Nutrição e Ingredientes; Incubação e Gestão de Saúde. Além disso, houve uma sessão organizada pela Federación Colombiana de Acuicultores – FEDEACUA, e um espaço para a Associação Acadêmica Colombiana de Aquicultura, assim como a Associação Colombiana de Rede de Técnicos, Tecnólogos e Profissionais em Saúde da Aquicultura.

Para mais informações sobre o evento, é possível acessar o site do congresso: https://www.was.org/Meetings/Default.aspx?code=LACQUA18

Informações completas sobre a programação de apresentações de trabalhos: https://www.was.org/meetings/pdf/LacQua18BluePages.pdf

Resumo dos trabalhos apresentados no congresso: https://wasblobstorage.blob.core.windows.net/meeting-abstracts/LacQua18AbstractBook.pdf

 

Texto: Cecom/Araquari – Raquel Rybandt
Informações: www.was.org
Imagens: Pedro Ferro e Andressa Vieira

Vivências de alteridade acontecem no IFC Araquari

A “alteridade” é a capacidade de se colocar no lugar do outro na relação interpessoal, é a concepção que parte do pressuposto de que todo o ser humano social interage e interdepende do outro. Foi trabalhando este conceito, bem como aqueles relativos à Ética, Política e aos Direitos Humanos, que, dentro da disciplina de Filosofia, foram promovidas atividades diferenciadas com os estudantes.

Considerando também o Dia Nacional de Luta das Pessoas com Deficiência – em 21 de setembro no Brasil –, aproximadamente 120 estudantes do IFC Campus Araquari vivenciaram atividades relativas à alteridade. Tal ação foi trabalhada com as turmas dos segundos anos dos Cursos Técnicos em Agropecuária e em Informática Integrados ao Ensino Médio.

As atividades vivenciadas pelos estudantes destas turmas foram as seguintes:

  • Assistir a um filme curto sem som e tentar identificar a narrativa e os personagens.
  • Buscar e mostrar documento de identidade, carteira de estudante ou outro, com utilização de apenas uma mão. Para tanto, os destros só puderam utilizar a mão esquerda, e os canhotos só puderam utilizar a mão direita.
  • Colocar a venda nos olhos, sair da sala de aula, descer as escadas e chegar a um ponto determinado do pátio da escola.
  • Utilizar a venda como amarra para imobilizar as próprias pernas e voltar à sala de aula.
  • Escrever mensagem curta em papel e, sem usar da fala ou da escrita, utilizar da mímica para fazer com que os demais colegas identifiquem a mensagem.
  • Acompanhar palestra breve sobre a temática, proferida pela senhora Carolina Beiro da Silveira,  servidora do IFC Araquari.
  • Socializar síntese acerca das percepções e sensibilizações provocadas pelas diferentes vivências.

Os participantes das atividades se mostraram motivados e sensibilizados ao vivenciar situações específicas relativas à audição, à visão, à fala e à mobilidade de membros superiores e inferiores. Ao serem questionados sobre as vivências, os estudantes destacaram percepções diversas e que interagem umas com as outras, por exemplo, acerca do novo, da dificuldade, do estranhamento, do diferente, do normal e do especial.

A atividade foi realizada apenas com materiais simples, como uma Smart TV, um notebook e tiras de TNT preto, e, ainda assim, causou reflexões muito profundas e intensas por parte dos alunos envolvidos na ação, fazendo-os perceber o mundo a sua volta e as relações de uma maneira diferente.

Texto e imagens: Leandro Kingeski Pacheco
Adaptado por: Cecom/Araquari

Estudantes do IFC concorrem a vagas do Parlamento Juvenil do Mercosul

Estudantes de todo país concorrem a vagas de representantes brasileiros no Parlamento Juvenil do Mercosul (PJM). São 27 vagas (uma por Estado) para estudantes do 1º ou do 2º ano do ensino médio regular ou do ensino técnico integrado de todas as escolas públicas. Após a análise das propostas enviadas em setembro, a comissão organizadora selecionou até quatro estudantes por Estado.

Entre os candidatos para representar Santa Catarina, três são alunos do Instituto Federal Catarinense (IFC): Pedro Augusto Canteli (Araquari), Vinicius Franke da Silva (Blumenau) e Eduardo Biffi Agazzi (Concórdia). Além deles, a estudante Elís Regina Alchieri dos Santos (Concórdia) concorre a vaga do PMJ pelo Rio Grande do Sul.

Todos os selecionados seguem em campanha até 18 de novembro. A escolha dos representantes será por votação online, na página do PJM, entre 19 e 23 de novembro de 2018.

Atualmente, o Estado de Santa Catarina é representado no PJM pela estudante do IFC Ibirama, Aymee Agnes de Andrade Sinn. Em 2016, Aymee foi selecionada com o projeto “Imigração Haitiana no Brasil, inclusão e diversidade de raça”.

Conheça os representantes do IFC

Conforme regulamento, o projeto apresentado deveria contemplar a realidade local do estudante e propor ações que estimulem a participação juvenil no ambiente escolar, priorizando o desenvolvimento de um trabalho coletivo e cooperativo.

Canteli foi selecionado com o projeto ‘Papo Vai, Papo Vem: a criação de uma sociedade de debates como ferramenta de protagonismo juvenil’, escrito sob a orientação da professora Luci Schmoeller. “O objetivo é ampliar ainda mais as discussões a respeito de assuntos atuais e importantes para a juventude, contribuindo para a criação de um olhar mais crítico e capaz de entender as perspectivas envolvidas em um argumento”, explica o estudante do IFC Araquari.

Silva, do IFC Blumenau, propôs a criação de um portal que possibilite ao empregador acessar os perfis de jovens em busca do primeiro emprego, ao mesmo tempo em que divulga vagas de trabalho: ‘Portal de Oportunidades: uma janela de solidariedade para jovens estudantes em busca do primeiro emprego’. “Trata-se de uma plataforma online, pública, gratuita e de livre acesso, na qual os jovens e as empresas possam criar perfis que possibilite uma relação entre contratado e contratante”, explica o estudante, que tem como orientador o professor Cloves Alexandre de Castro.

Com o projeto ‘Roda de conversa para eliminar os preconceitos de gênero no ambiente escolar’, Agazzi é o representante do IFC Concórdia, sob orientação da professora Liamara Teresinha Fornari. “Projeto propõe a discussão das diferenças de gênero, suas formas de discriminações e exclusão social, por meio da realização de rodas de conversa com alunos e servidores do campus, tendo como objetivo a conscientização em relação às questões de gênero e diversidade”, apresenta o estudante.

Aluna do IFC Concórdia, mas residente no Rio Grande do Sul, Elís Regina Alchieri dos Santos concorre a vaga pelo Estado gaúcho, com o projeto ‘Jovens: Anseios, medos e dúvidas que problematizam a escolha de uma profissão’, também orientada pela professora Liamara Teresinha Fornari. “Objetivo do projeto é auxiliar o jovem a decidir a área com que se identifica e direcioná-lo, propondo a inserção de programas de orientação profissional no âmbito escolar”, apresenta.

Estudantes e projetos selecionados

Pedro Augusto Canteli (Araquari)
Projeto: Papo Vai, Papo Vem: a criação de uma sociedade de debates como ferramenta de protagonismo juvenil
Professora orientadora: Luci Schmoeller

 

Vinicius Franke da Silva (Blumenau) 
Projeto: Portal de Oportunidades: uma janela de solidariedade para jovens estudantes em busca do primeiro emprego
Professor orientador: Cloves Alexandre de Castro

 

Eduardo Biffi Agazzi (Concórdia) 
Projeto: Roda de conversa para eliminar os preconceitos de gênero no ambiente escolar
Professora orientadora: Liamara Teresinha Fornari

Elís Regina Alchieri dos Santos (Concórdia) – concorre pelo Rio Grande do Sul
Projeto: Jovens: Anseios, medos e dúvidas que problematizam a escolha de uma profissão
Professora orientadora: Liamara Teresinha Fornari

Texto: Cecom/Reitoria
Rosiane Magalhães | Jornalista / JP 12.715/MG
com apoio das Cecoms dos campi

Simulado das Nações Unidas: educação, cultura e processos de decisão são temas de evento interdisciplinar

No próximo dia 21 de novembro, acontecerá, no auditório institucional, o 1º Simulado das Nações Unidas do IFC Araquari. O evento acontecerá entre as 8h e as 12h, com a participação de sete turmas do 2º ano do Técnico Integrado ao Ensino Médio. A ideia do evento é incentivar os jovens a conhecerem mais sobre educação, cultura e processos de tomada de decisão em grandes organizações internacionais.

Este é um projeto que já ocorre em outros campi da instituição, como em Fraiburgo e Camboriú, por exemplo, com a iniciativa do professor Marcelo Silva. O intuito dos professores de Geografia envolvidos na atividade, em todas as unidades do IFC, é preparar os estudantes para, no ano de 2019, promover um Simulado Geral do IF, entre as melhores equipes de cada campus.

O Simulado, no Campus Araquari, está sendo organizado pelos docentes Edvanderson Ramalho dos Santos, Daniel Freitas, Luiz Antônio da Rocha Andrade, Alessandra Klug e Clarice Lemos, contando ainda com a colaboração de docentes das disciplinas de Língua Portuguesa, Filosofia, Matemática e Artes.

Para participar do evento, as turmas são orientadas com conhecimentos específicos, que englobam oratória, produção textual, atualidades, história, geografia e ética. Além disso, entre os discursos haverá apresentações culturais dos países representados. Apesar de a interdisciplinaridade estar presente no cotidiano dos estudantes do Instituto Federal, esta é uma nova abordagem e possui objetivos diferenciados.

Até este momento de organização, as turmas já foram sorteadas. As sete turmas, com aproximadamente 200 alunos envolvidos, foram divididas em 15 países e mais um grupo de organização das Nações Unidas. Os países que serão representados pelos alunos são:

– Brasil (fará o discurso de abertura sobre a necessidade de reformas no Conselho de Segurança);
– Síria, Alemanha, Hungria, Papua Nova Guiné e Austrália (debaterão sobre imigrações);
– Japão, Argentina, Noruega e África do Sul (debaterão sobre caça às baleias);
– Cuba, Irã, Israel, Coréia do Norte e Coreia do Sul (debaterão sobre sanções econômicas).

Por fim, 5 professores representarão os membros permanentes e com poder de veto do Conselho de Segurança das Nações Unidas (EUA, Rússia, China, Inglaterra e França), órgão responsável por decisões vinculantes a todos os países membros.

Organização das Nações Unidas

Organização das Nações Unidas (ONU), ou simplesmente Nações Unidas, é uma organização intergovernamental criada para promover a cooperação internacional. Uma substituição à Liga das Nações, a organização foi estabelecida em 24 de outubro de 1945, após o término da Segunda Guerra Mundial, com a intenção de impedir outro conflito como aquele. Na altura de sua fundação, a ONU tinha 51 estados-membros; hoje são 193. A sua sede está localizada em Manhattan, Nova York, e possui extraterritorialidade. Outros escritórios situam-se em Genebra, Nairóbi e Viena. A organização é financiada com contribuições avaliadas e voluntárias dos países-membros. Os seus objetivos incluem manter a segurança e a paz mundial, promover os direitos humanos, auxiliar no desenvolvimento econômico e no progresso social, proteger o meio ambiente e prover ajuda humanitária em casos de fome, desastres naturais e conflitos armados.

Texto: Cecom/Araquari – Raquel Rybandt
Foto: Edvanderson Ramalho dos Santos

Estudantes da Licenciatura em Química participam do 38º EDEQ

Ensino, pesquisa e extensão; aulas diferenciadas; incentivo à produção científica e participação em eventos acadêmicos. Tudo isso está presente no dia a dia dos estudantes dos cursos do Instituto Federal Catarinense Campus Araquari, como na recente participação dos estudantes da Licenciatura em Química (LIQUI) no Encontro de Debates sobre o Ensino de Química (EDEQ). Em sua 38ª edição, o evento foi realizado nos dias 18 e 19 de outubro de 2018, na cidade de Canoas (RS), organizado pela Universidade Luterana do Brasil (Ulbra), com a temática “Os saberes docentes na contemporaneidade: perspectivas e desafios na/pela profissão”.

Foram atividades diversas realizadas pelos estudantes, como a participação no Seminário “O impacto da reforma do ensino Médio e da BNCC na profissão do professor de Química”, palestras gerais com estudiosos da área, visita ao museu de Ciência e Tecnologia da PUCRS (Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul). Além destas experiências que fazem parte da vida acadêmica destes alunos, eles ainda tiveram a oportunidade de entrar em contato e conversar com grandes nomes da área de educação em química.

Além da participação como ouvintes, os estudantes do IFC foram também apresentadores de trabalhos durante o evento. Os trabalhos apresentados foram:

1. “Baía da Babitonga: possibilidades para educação ambiental em uma oficina didática”;
2. “Síntese de Wöhler e o início da química orgânica: divergências da História da Ciência nos livros didáticos”;
3. “Invenção da pilha: análise do episódio histórico nos livros didáticos de química do ensino médio – PNLD 2018”;
4. “A inclusão da ‘alquimia’ nos livros do PNLD de química: uma análise documental”;
5. “Teoria do Flogisto: uma sequência didática desenvolvida no estágio supervisionado”.

Para o estudante, da Licenciatura em Química, Gabriel Cristiano Walz, “A participação em um evento como o EDEQ é um momento ímpar para a formação de nós, futuros professores, pois promove um contato com professores, pensadores e pesquisadores renomados, nos ajudando na construção de nossos saberes docentes”, comenta. Gabriel esteve presente no evento, acompanhado da professora e coordenadora do curso, Anelise Grünfeld de Luca, e mais sete estudantes do IFC Araquari: Natacha Morais Piuco; Zamara Léon; Mylena Larissa de Araujo; Nayara Stanski Tkaczyk; Franciele Dias Dordet e Jaqueline Maria da Silveira.

Conheça o EDEQ

No início dos anos 80 iniciou-se no Brasil, mais especificamente no Rio Grande do Sul, um dos eventos mais importantes na área de Educação Química/Ciências o: Encontro de Debates sobre o Ensino de Química (Edeq). O primeiro Edeq, com o apoio da Secretaria Regional da Sociedade Brasileira de Química (SBQ), foi realizado em dezembro no Instituto de Química da PUCRS. Apesar de ser um evento local, pois as suas 37 edições ocorreram no Rio Grande do Sul, como tabela abaixo, o Edeq é um evento que conta com a participação da comunidade da Educação Química de todo o Brasil, a fim de planejar, avaliar e desenvolver ações (mesa-redonda, apresentação de trabalho, temas em debate, palestras) durante o encontro para haver trocas de saberes, experiências e conhecimentos entre esta comunidade.

O Edeq tem contribuído de forma significativa para a formação inicial e continuada de professores de química, pois a cada edição é apreciado com maior número de participantes que buscam os mesmos objetivos: encontrar-se em constante formação, realizar parcerias, constituir-se a partir da relação afetiva estabelecida com o outro, trocar certezas e incertezas, divulgar trabalhos e, dentre outros, conhecer novas ações, experiências, estratégias e metodologias que qualificam o processo de ensinagem.

Texto: Cecom/Araquari – Raquel Rybandt
Informações: 38edeq.edeq.com.br/index.html
Imagem: Anelise Grünfeld de Luca

Estudante do IFC Araquari participa do Parlamento Jovem Brasileiro

No ano de 2018, o Parlamento Jovem Brasileiro (PJB) reuniu-se entre os dias 01 e 05 de outubro, em Brasília (DF), para experiência diária com atividades parlamentares. Durante essa semana, um total de 78 estudantes, com idades entre 16 e 22 anos, sentaram-se às bancadas para discussões sobre política, cidadania e participação popular.

“O Parlamento Jovem Brasileiro tem por objetivo possibilitar aos alunos de escolas públicas e particulares a vivência do processo democrático, mediante participação em uma jornada parlamentar na Câmara dos Deputados”. Essa é a definição do PJB, realizado há 15 anos, programa que reúne estudantes do ensino médio de escolas públicas e particulares em um ambiente de prática do processo democrático e compreensão do papel do Poder Legislativo.

Para conquistar a oportunidade de participar do Parlamento Jovem, os candidatos elaboram um Projeto de Lei (PL), sem restrições de temas, descrevendo propostas para melhorar o país. Foi realizando este processo que o estudante Gabriel Decker, aluno do terceiro ano do curso Técnico em Agropecuária Integrado ao Ensino Médio do IFC Araquari, foi selecionado como um dos representantes jovens para a Câmara e um dos dois catarinenses no programa.

A seleção é feita de maneira proporcional, por estado, assim como nas eleições oficiais. Decker elaborou um PL que “determina a criação do Selo ‘Resíduo Zero’ para ser empregado nas embalagens dos produtos oriundos de produção hidropônica que não utilizam agrotóxicos”. Veja no link a seguir a proposta enviada pelo estudante selecionado: PL deputado jovem GABRIEL DECKER – 2018

A experiência no Congresso

Selecionado, Decker atingiu 91 pontos em seu projeto. O estudante considerou a experiência muito importante para “entender melhor como o Poder Legislativo funciona, bem como todo o processo existente na tramitação de um projeto de lei, que é algo muito rico”, afirmou o estudante. Divididos em comissões, os jovens parlamentares debatem temas e fazem novas proposições. “A minha comissão [Agricultura e Meio Ambiente] teve uma discussão super interessante sobre as proposições que estavam em pauta, a partir da qual ampliei muito meu senso crítico. Como conclusão, digo que simplesmente chamar todo o Congresso de corrupto não é correto, temos muita coisa para ser renovada, sim; contudo, há também aqueles que realmente sonham com um Brasil de primeiro mundo e trabalham duro pra isso acontecer”.

Gabriel tem demonstrado grande interesse pelas áreas ligadas ao Direito, à política e à economia e esteve, entre os meses de julho e agosto, na universidade de Yale (EUA), representando o Brasil durante o programa de verão chamado Yale Young Global Scholars (YYGS). O estudante ainda destaca a necessidade de maior participação dos jovens nesses programas, além de mais interesse e pesquisa a respeito. “Foi com o YYGS que eu descobri diversas oportunidades, inclusive o PJB. Entretanto, em conversas com os jovens parlamentares da edição do PJB deste ano, percebi que muitos deles lamentam pelo mesmo motivo que eu: ter descoberto tais oportunidades muito tarde, uma vez que programas como o Yale Young Global Scholars (YYGS), Parlamento Jovem Brasileiro (PJB), Stanford Pre-Collegiate Studies (SPCS), dentre outros, estão disponíveis apenas para alunos do ensino médio”. Assim, Decker destaca a importância de se procurar incansavelmente por oportunidades como essas na internet e ressalta ainda que as inscrições para o YYGS 2019 estão abertas.

Os projetos apresentados para o Parlamento Jovem Brasileiro podem ser “adotados” por parlamentares e tramitar na Câmara dos Deputados. Neste ano, 16 propostas iniciaram com o programa e, posteriormente, seguiram para o Congresso.

Aos demais interessados em vivenciar a experiência do Parlamento Jovem Brasileiro, é possível obter mais informações e fazer inscrições por meio do site oficial, aqui.

Texto: Cecom/Araquari
Imagens: Gabriel Decker e Divulgação

Painel de Integração tem 125 trabalhos apresentados em dois dias

O Painel de Integração (PI) foi a atividade que finalizou a Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão do IFC Araquari. O Painel aconteceu nos dias 28 e 29 de setembro de 2018, com apresentações entre 9h e 13h, no ginásio de esportes da instituição. Cada um dos dias contou com, pelo menos, 700 pessoas envolvidas apenas nesta área do evento, entre apresentadores, visitantes e organizadores.

Para facilitar a participação externa no Painel, neste ano foi implementada a novidade de separação, em dois dias diferentes, das apresentações, com a alternância de trabalhos expostos. Dentre os 125 trabalhos presentes na sexta-feira e no sábado, pode-se dizer que todas as disciplinas do currículo escolar foram englobadas, assim como foram contemplados os conteúdos práticos relacionados à parte técnica dos cursos de Agropecuária, Informática e Química.

E é justamente esta a ideia do PI, uma proposta voltada para os estudantes do ensino médio, incentivando a interdisciplinaridade, a integração de conhecimentos e novas tecnologias de informação e comunicação aos processos de ensino e aprendizagem. Nele estão envolvidos professores (para orientação), servidores técnicos administrativos (como colaboradores), os próprios estudantes para a execução dos projetos e a comunidade como um todo para a participação e troca de informações nos dias do evento.

Diferentes de uma apresentação de trabalho comum, os trabalhos do Painel de Integração contam com um estande que é totalmente customizado pelos estudantes, a fim de expor e demonstrar as experiências e as atividades práticas que estão sendo realizadas. Ano a ano, são aperfeiçoados os materiais e as apresentações. Neste ano, por exemplo, houve um desafio extra: montar um estande “sustentável”.

Estande sustentável

Desafio lançado, desafio aceito! Essa foi a conclusão do Núcleo de Gestão Ambiental e da Comissão Organizadora do Painel de Integração. Os alunos do ensino médio demonstraram que é possível, sim, utilizar materiais menos agressivos ao meio ambiente.

Os TNTs e EVAs, utilizados em anos anteriores, deram espaço para jornais, papelão, papel kraft e tecido, que são materiais de maior degradabilidade. A criatividade foi muito além do imaginado e criou-se uma esperança que podemos produzir conhecimento respeitando nosso planeta.

Dos 125 estandes no Painel de Integração, 92 foram considerados sustentáveis, o que representa 74% do total! Cada estande produziu cerca de 0,557kg de resíduos recicláveis, totalizando 69,610kg nos dois dias de apresentações. Porém, um dado a ser destacado foi que no dia 29 foram gerados 46% mais resíduos do que no dia 28, ou seja, isso indica que é possível reduzir muito mais!

Por ser um evento anual, o desafio da conscientização para a próxima edição já começa neste ano. Pensando que cada estande pode fazer a sua parte, a meta para os próximos anos é ter um evento totalmente sustentável.

Os detalhes

Para compor o ambiente do Painel de Integração e tornar o espaço mais agradável, foi montado um espaço de convivência para os estudantes. Dentro do ginásio houve a ambientação com pallets, plantas, tecidos, almofadas e itens de decoração, que traziam não só o conforto, mas também a reflexão para quem passasse por lá.

Este ambiente de convivência foi utilizado também na abertura do primeiro dia de Painel de Integração, para uma homenagem póstuma a três estudantes da instituição que, durante o mês de setembro, vieram a falecer por diferentes razões. Todos reuniram-se e, com algumas palavras do diretor-geral do campus, lembraram com carinho das colegas.

A Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão 2018 teve seu último dia no sábado (29), trazendo consigo uma semana de grandes experiências, muitos aprendizado, diversidade e cultura, além de novas oportunidades para os estudantes. Dentro da gama de atividades oferecidas para os participantes do evento, ficou marcado mais um passo para aprimorar e integrar ensino, pesquisa e extensão dentro de uma instituição que tem como seu objetivo ofertar ensino público, gratuito e de qualidade.

Para acessar um álbum completo com imagens de todo o evento, clique aqui.

Texto e imagens: Cecom/Araquari

Sepe 2018 contou com seis dias de atividades

A Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão (Sepe) ofertou 133 atividades ao longo dos dias 24 a 29 de setembro de 2018, todas dentro das dependências do Instituto Federal Catarinense – Campus Araquari. Foram mais de 1400 participantes, ao total, que tiveram a oportunidade de assistir a cerca de 90 diferentes palestrantes.

As atividades começaram na segunda-feira pela manhã, com uma ação promovida pelo Grêmio Estudantil, que trouxe a arte urbana para dentro da instituição. Para a tarde, a partir das 13h30, foi reservado um espaço para a abertura oficial do evento, contando com a participação de autoridades institucionais e a apresentação artística da Banda de Metais do Corpo de Bombeiros Voluntários de Joinville.

Para a palestra inicial, após as 14h, foi convidado o professor Dr. Airton Spies, que tratou das “Perspectivas, desafios e oportunidades para o agronegócio brasileiro”. Na sequência foi passada a palavra ao professor Dr. Marcus Eduardo Maciel Ribeiro, que abordou, em sua fala, “A importância da valorização da pergunta do aluno na sala de aula”.

A abertura do período noturno contou com a apresentação artística dos estudantes dos cursos técnicos integrados ao ensino médio, Amon Reis e Abigail Maia, que performaram um repertório variado de músicas brasileiras. Posteriormente, o professor Marcus retomou a palavra e abordou “A pesquisa em sala de aula como proposta curricular”, fala que foi direcionada, nesse momento, a um público composto majoritariamente por alunos das licenciaturas.

Atividades na Sepe

Nos dias 25 e 26 de setembro, terça e quarta-feira, a Sepe transformou-se em um evento com múltiplas atividades acontecendo concomitantemente. Apenas nestes dois dias, quase 90 atividades foram realizadas das 8h às 22h, dentre elas: palestras, minicursos, oficinas, workshops e afins.

Estes dias são diferenciados por coincidirem com o início das semanas acadêmicas, que, no IFC Araquari, são todas condensadas dentro da Sepe. Desse modo, aconteceram as atividades das semanas de Agrimensura, Agronomia (SemaAgro), Informática (SemaInfo), Licenciaturas (SemaLic) e Medicina Veterinária (SemaVet).

Além dos momentos específicos para cada curso superior, foram também oferecidas atividades gerais para os cursos de nível médio, preparação para o Painel de Integração de Conhecimento, e, ainda, atividades culturais, como o AlmoSOM, que aconteceu de terça a sexta-feira, na área de convivência do Bloco E.

Trabalhos científicos

Já passando da metade do evento, a quinta-feira (27) foi reservada para a troca de experiências e informações científicas por meio da apresentação de trabalhos realizados dentro e fora da instituição, por estudantes, docentes ou outros profissionais.

Os trabalhos foram submetidos às modalidades de pôster científico ou comunicação oral, sendo pré-selecionados por uma comissão científica e, posteriormente, assistidos por uma banca no dia do evento.

A manhã do dia 27 contou com as apresentações de 71 pôsteres científicos, expostos no ginásio do campus e abertos para a visitação do público. Nos períodos da tarde e da noite, as salas do Bloco E receberam 88 apresentações de comunicações orais, que também eram abertas para a participação da comunidade.

A partir da tarde de quinta-feira, ao mesmo tempo em que ocorriam as apresentações em sala de aula, iniciaram-se os preparativos para o Painel de Integração do Ensino Médio, que aconteceu, no Ginásio da instituição, na sexta-feira e sábado, dias 28 e 29 de setembro.

Para acessar um álbum completo com imagens de todo o evento, clique aqui.

Texto e imagens: Cecom/Araquari